Resenha: Quem teme a morte

  • 09:00
  • 2 de mai. de 2020
  • Resenha: Quem teme a morte

    Quem Teme a Morte é uma fantasia afrofuturista de Nnedi Okorafor - mesma autora de Bruxa Akata - e publicado por aqui pela editora Geração. O livro nos leva por uma jornada através de uma África dividida pela guerra, onde uma garota considerada pária pode ser a única capaz de salvar o mundo.

    Sinopse: Numa terra devastada por uma hecatombe nuclear, uma jovem e misteriosa mulher com o incomum nome de Onyesonwu – que pode ser traduzido como Quem Teme a Morte – descobre que tem superpoderes e foi escolhida para salvar a humanidade. Este seria um romance distópico como qualquer outro se não transcorresse na África e sua autora não fosse a surpreendente Nnedi Okorafor, elogiada pelo prêmio Nobel nigeriano Woyle Soyinka. Fantasias, batalhas, tradições e alta tecnologia, sonhos, visões, discriminação racial e sexual, tudo se mistura numa narrativa tensa e poética que confere uma nova linguagem para os romances do gênero.


    Onyesonwu só entendeu porque todos a tratavam como uma pária aos 11 anos de idade. Foi quando sua mãe contou suas origens: ela não era filha do homem bondoso que estampava a única foto que sua mãe carregava durante os seis anos que viveram no deserto. Ela era fruto da violência, uma Ewu.

    Ewu são crianças nascidas do estupro - uma das armas usadas pelos Nuru, o povo de pele clara que, de acordo com o Grande Livro, devem escravizar os Okeke, o povo de pele escura que ofendeu a Deusa Ani com sua tecnologia e destruiu a natureza. Okeke ou Nuru, todos eles acreditam que um Ewu está pré-disposto a violência. Portanto, acreditam que todos nascidos da violência só podem crescer para propagar mais violência.

    Quando descobre sua origem, Onye faz de tudo para honrar a mãe e o pai - não o biológico, mas o homem que a acolheu e amou. No entanto, aos 11 anos, coisas estranhas começam a acontecer com ela - desde ficar transparente durante seu rito dos 11 anos até transformar-se em um pardal. E é nesse momento que ela descobre que também é um Eshu, uma pessoa dotada de poderes mágicos.

    "Falhos, criaturas imperfeitas. É isso que nós dois somos, oga. É isso que TODOS nós somos."

    No entanto, quanto mais crescem os poderes de Onye, mais perigo ela corre. E muito em breve ela descobrirá que os propósitos de seus poderes são muito maiores do que vingar a violência praticada contra sua mãe e tantas outras mulheres Okeke.

    Eu confesso que comprei Quem Teme a Morte exclusivamente pelo preço, já que a sinopse mais me deixou confusa do que curiosa. Um tempo depois, li várias resenhas negativas e fiquei com um pé atrás. Ficou a impressão de que era um livro maçante, com uma história sem graça e que não cumpria o que prometia (no caso do Afrofuturismo, pois vi muitas pessoas que não tinham percebido a história como futurística).

    Mas foi uma alegria sem fim descobrir que essa resenhas não estavam com nada.

    Quem Teme a Morte é uma história que flui muito fácil e simples. Nos conectamos muito fácil com a Onye, que não é o tipo de personagem "folha branca" que muitas fantasias criam. Ela é teimosa, cabeça dura, emotiva e determinada. Ela é bastante sensível, ela ama forte e tem muito carisma. Me cativou muito fácil e bem cedo.


    Resenha: Quem teme a morte

    A história também foi bastante original e curiosa. A fantasia foi muito bem equilibrada com o romance, e Nnedi Okorafor explorou bastante os relacionamentos da Onye - com a mãe, o pai, Mwita, suas amigas Bita, Diti e Luyu, Ada e Aro... Ela tomou o cuidado de não dar nenhum papel de destaque que não tivesse uma função na história de Onye.

    E quanto a questão do futurismo, eu acredito que as pessoas ainda se apegam muito a imagem de carros voadores e armas a laser como definição de "futurístico". Em Quem Teme a Morte, Nnedi Okorafor mostra uma sociedade que foi destruída - seja pela ira de uma deusa ou pelo impacto irreversível da destruição dos recursos naturais - e precisou recomeçar. Os computadores são apenas um resquício da sociedade avançada que, outrora, viveu ali.

    Como eu já tinha visto na trilogia dos Espinhos, do Mark Lawrence, o futuro nem sempre é sinônimo de tecnologia avançada. Muitas vezes pode ser o que sobrou de uma guerra nuclear, por exemplo.

    "Eu era jovem, mas odiava como um homem de meia idade no fim de sua vida."

    Ler Quem Teme a Morte foi uma realização. A forma como a autora discutiu sexismo, estupro como arma de guerra, soldados crianças, a religião como justificativa para escravidão, exploração e morte foi muito bem feita. Todos os elementos do mundo atual que são inseridos e criticados dentro do contexto de fantasia foram muito bem construídos e tratados.

    As personagens não eram, necessariamente, gostáveis, mas tinham um papel importante com suas aparições e suas ideias e ideais.

    Em dado momento, quando o livro estava chegando ao fim, pensei que terminaria com um final mega aberto ou que teria alguma continuação da qual eu não estava ciente. Mas a forma como Nnedi Okorafor escolhe encerrar Quem Teme a Morte foi ousada, ainda que coerente com toda a história que pintou até ali. Desafio convenções clichês de fantasia e nos deixou pensando "e agora?" da melhor forma possível.

    "O equilíbrio não pode ser quebrado, mas pode ser esticado. É aí que as coisas dão errado."

    Gosto de pensar que Onye mudou o mundo para sempre.

    Honestamente, se tiverem a oportunidade, peguem esse livro e leiam. E amem. Conheçam Onye, porque ela é maravilhosa e a história dela merece ser lida, é incrível. Uma fantasia que deixa muito livro cheio de hype no chinelo.

    Título original: Who Fears Death
    Autora: Nnedi Okorafor
    Tradutora: Mariana Mesquita
    Editora: Geração
    Gênero: Fantasia | Afrofuturismo
    Nota: 5

    1. Oi Eduarda, tudo bem?
      Que resenha maravilhosa! Como você leu no blog, recém concluí Filhos de Sangue e Osso e me apaixonei. Então ter a oportunidade de conhecer mais uma obra afrocentrada já me encheu de empolgação. Excelente dica!
      Beijos,

      Priih
      Infinitas Vidas

      ResponderExcluir
      Respostas
      1. Desculpa, Bia!
        Eu li o nome de quem comentou lá no blog e fiquei com ele na cabeça, perdão. ♥

        Excluir
    2. Eu já li Bruxa Akata e não curti muito, mas acho que esse faz mais meu estilo.
      Nossa, tomei spoiler ali de trilogia dos Espinhos, mas pelo menos já vou com a cabeça diferente kkkkk
      Beijos
      Balaio de Babados

      ResponderExcluir
    3. nossa que diferente esse temática de uma Africa do futuro, original e curiosa como vc disse, fiquei com vontade de ler

      www.tofucolorido.com.br
      www.facebook.com/blogtofucolorido

      ResponderExcluir
    4. Nossa, achei uma história mega diferente. E interessante saber que apesar da sinopse meio confusa, a narrativa é interessante.

      www.vivendosentimentos.com.br

      ResponderExcluir
    5. Ai que livro lindo! Eu já ouvi falar muito de Bruxa Akata, mas eu acho tão legal que a autora trouxe outras obras com a cultura africana em xeque. Eu amei o universo criado, os termos para cada coisa, obviamente é uma narrativa muito rica. Eu adoraria ler, apesar de fantasia não ser minha praia.
      Beijo!
      https://www.capitulotreze.com.br/

      ResponderExcluir
    6. Great post ! Thanks for sharing! Stay safe! 🙏🙏🙏

      ResponderExcluir
    7. La Cambogia è probabilmente l'ultimo posto in cui potresti pensare di creare una scuola di orologeria di prim'ordine,rolex replica ma è esattamente quello che è successo qui. Si dice che la nuova scuola, chiamata Prince Horology Vocational Training Center, sia un progetto gratuito che porta l'esperienza WOSTEP in Cambogia.replica rolex Qui, gli studenti seguiranno lo stesso corso di 3000 ore offerto da WOSTEP. È un'impresa impressionante ed è cruciale perché al momento c'è una carenza di orologiai adeguatamente formati a svolgere lavori di manutenzione.orologi replica E questo potrebbe essere un problema negli anni a venire con l'avanzare degli orologi e la necessità di un controllo di manutenzione.

      ResponderExcluir

    Deixe seu comentário, sua opinião é sempre muito bem-vinda!

    Tecnologia do Blogger.