Resenha: O céu está em todo lugar #LeituradeVerão

Jandy Nelson não escreveu o melhor YA que já li na vida à toa, senhoras e senhores. O céu está em todo lugar pode não ter superado Eu te darei o Sol, mas é tão bom quanto. A narrativa, os personagens, o jeito com que a autora conversa com o leitor sem realmente falar com ele, mas apresentando fatos e cenas e momentos tão reais que eles saltam do livro para conviver para sempre com você. 


Todo o conhecimento de Bailey não vale mais nada. Tudo o que ela aprendeu a vida toda e ouviu e viu. A sua forma específica de ver Hamlet ou as margaridas, ou a sua ideia sobre o amor, todos os seus complexos pensamentos escondidos e as consequentes reflexões secretas. - tudo isso se foi também. Um dia ouvi essa máxima 'toda vez que alguém morre, uma biblioteca se incendeia.' Estou vendo uma queimar diante de mim.

O céu está em todo lugar é um livro sobre superação e auto-descobrimento, sobre encontrar força na sua dor e lidar com o fato de que ela nunca vai desaparecer completamente. Lennie acabou de perder a irmã mais velha abruptamente; em um dia, Bailey estava lá, se aprontando para interpretar a Julieta na peça da escola, e no outro ela não está mais. O luto de Lennie é uma coisa complicada, cheia de agonia e negação, e a vida dela, antes resumida a ser a sombra de Bailey, de repente se torna um painel solar. Lennie nunca soube lidar com a realidade sem a irmã por perto. Não conhece um mundo onde a Bailey não está na cama ao lado da sua, onde seus comentários não vão ser respondidos por ela. As irmãs cresceram juntas no abandono da mãe, na esquisitice da família, e agora só existe a Lennie. Não bastasse isso, tendo que lidar com a repentina solidão, Lennie vem a descobrir que está se apaixonando; como pode se apaixonar quando o corpo da irmã nem esfriou no túmulo?!

Através dos olhos da Lennie, acompanhamos esse período instável cheio de sentimentos confusos e momentos inesquecíveis. Sua irmã se foi, mas Lennie ainda está ali. Ela acha injusto, tão injusto, e odeia que o seu coração apaixonado comece a se esquecer do luto para focar no garoto recém-chegado à cidade. Joe Fontaine é um sonho, o rapaz gentil e educado que a encontra na floresta numa das noites em que Lennie precisa ficar sozinha com seus bilhetes e seus pensamentos, e uma aura de compreensão e carinho aparece entre eles. Joe é todo aberto e necessário à Lennie. Ele é um novo capítulo em sua vida confusa, um coração capaz de acalentar o seu, capaz de fazê-la se esquecer da dor com seus beijos e sua presença reconfortante.

Joe está com um sorriso do tamanho do continente. Será que ele olha assim para todo mundo? Será que ele é maluco? Seja lá o que ele for, é contagioso. Antes que me dê conta, estou imitando seu sorriso do tamanho dos Estados Unidos, unindo-os ao Havaí e a Porto Rico.

Por outro lado, no entanto, a mente de Lennie se fixa na dor da perda, e em Toby, ela encontra um tipo de dor mútua que é capaz de extinguir a que ela sente. Toby é o namorado da sua irmã morta. Toby é proibido. Toby e ela existem juntos na agonia da perda, e existe alguma força atrativa puxando-os um em direção ao outro; não é amor, não é paixão, é um estranho sentimento errado que existe quando estão juntos. Lennie e Toby se lembram e vivem a Bailey quando dividem o mesmo espaço, e Lennie busca por esse sentimento porque precisa da irmã. Ela não consegue aceitar a sua partida. Ela não consegue aceitar que o mundo continua existindo quando Bailey se foi.


Quero desaparecer. Tenho um impulso de escrever nas paredes cor de laranja, preciso de um alfabeto formado por finais arrancados de livros, de ponteiros retirados de relógios, de pedras frias, de sapatos cheios de nada além do vento. Descanso minha cabeça no ombro de Toby. - Somos as pessoas mais tristes do mundo.


Mas não se trata de um triângulo amoroso. Passa longe disso! Toby é quase o fantasma da realidade onde a irmã mais velha de Lennie ainda estava viva, e ela se odeia por sequer pensar e se atrair pelo namorado de Bailey. Diferente da compreensão de Joe, que é mais amigável e distante, Toby sente a perda de Lennie e quer extinguir a própria tanto quanto a dela. O livro te mostra o quanto ela se sente errada por Toby e o quanto Joe é o caminho certo. Joe é o garoto da banda, o menino perdidamente apaixonado cujo sorriso consegue arrancar o fôlego e os pensamentos racionais de Lennie. Ele é um futuro promissor, uma possibilidade de felicidade depois de toda aquela agonia.


Como vou sobreviver a esta saudade? Como os outros fazem? As pessoas morrem o tempo todo. Todo dia. Toda hora. Há famílias no mundo olhando para camas em que ninguém mais dorme, para sapatos que não são mais usados. Famílias que não precisam mais comprar um tipo específico de cereal, de xampu. Há pessoas em todo lugar na fila de cinema, comprando cortinas, passeando com cachorros, enquanto, por dentro, com o coração despedaçado. Durante anos. A vida toda. Não acredito que o tempo cura. Não quero. Se curar, não significa que aceitei o mundo sem ela.
Em meio ao turbilhão de emoções que é a nova vida de Lennie, conhecemos outras figuras importantes de sua vida; a avó, que é uma mulher excêntrica, cujas flores têm poderes mágicos e cuja dor é mascarada pela necessidade de estar presente pela neta que ficou. Tio Big, que é um homem bigodudo muito divertido, apaixonado por maconha e por casamentos - tanto que já passou por cinco deles - e que sente de maneira misteriosa. Lennie está tão obtusa em sua dor que demora a notar a deles; demora a notar que a perda de Bailey foi um baque para toda a sua família esquisita. A avó não perdeu só uma neta, o tio não perdeu só uma sobrinha. A sombra da morte é uma coisa assustadora, e ela cresce nos sentimentos de cada um deles de maneira diferente e real. Através de bilhetes deixados por Lennie em lugares aleatórios do seu mundo, conhecemos a sua dor. Através da história, entendemos e a superamos.


Nas fotografias em que estamos juntas, ela está sempre olhando para a câmera e eu estou sempre olhando para ela.


Jandy conduz um livro sobre aceitação, sobre entendimento e sobre superação, mesmo que lenta e arrasadora. A narrativa é tão rica, tão verdadeira e sentimental. Você se apaixona pela Lennie, pela vovó e pelo tio Big. Você cai de amores por Joe e deseja ardentemente abraçar o Toby. Você ama Sarah, a melhor amiga não tão presente porém igualmente importante de Lennie. Você sente falta da Bailey sem nem ter conhecido ela.

A diagramação é uma das coisas mais lindas que eu já vi na vida! Os bilhetes, poemas tristes e diálogos perdidos que Lennie deixou por seus caminhos dividem os capítulos. As folhas grossas e as letras azuladas são lindas e combinam perfeitamente com o clima do livro. Essa se tornou uma das minhas diagramações favoritas!



Anos atrás, estava deitada no jardim da vovó e Big perguntou o que eu estava fazendo. Disse-lhe que olhava para o céu. Ele respondeu - Essa é uma concepção errada, Lennie, o céu está em todo lugar, começa aqui, aos nossos pés.
Quem acha que este é um livro simples, por dentro e por fora, passa longe disso. O céu está em todo lugar vai te fazer sorrir e chorar e pedir por mais; mais, Jandy, por favor!


Título original: The Sky is Everywhere
Autora: Jandy Nelson
Editora: Novo Conceito
Gênero: YA
Nota: 5

Saiba Mais: Skoob  | A Autora
Compre em: Buscapé | Americanas | Saraiva | Submarino

Share this:

, , , , ,

COMENTÁRIOS

7 comentários:

  1. Amei a resenha.
    O livro parece ser lindo demais.
    Já adicionei na minha lista de desejos :D

    Beijão,
    Gi.

    --
    http://surtandocompalavras.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Gi!
      É LINDO DEMAIS, sério. Jandy arrasa muito <3
      Espero que consiga ler!

      Beijos,
      Denise Flaibam.

      Excluir
  2. Ooi, tudo bem?
    Menina, eu amei Eu te Darei o Sol e agora tou louca para ler este livro. *-*
    Acho que sua resenha foi a primeira que li e fiquei muito mais curiosa. Parece que escrever bem é natural para essa autora né haha
    Beijos
    SIL ~ Estilhaçando Livros

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Sil!
      Eu te Darei o Sol é indescritível né? Eu nunca tinha sentido tantas emoções lendo um livro, não sei o que a Jandy faz com a narrativa, mas toca o coração. Com esse também!
      Tomara que consiga ler em breve *-*

      Beijos,
      Denise Flaibam.

      Excluir
  3. Oii,
    Que resenha linda.
    Eu tenho esse livro aqui e preciso adiantar a leitura dele e do outro, da autora.
    Eu APAIXONEI na diagramação na primeira vez que vi e gente essas fontes...as cores...lindo demais.

    P.S.: Espero gostar de Star Wars quando maratonar hahaha
    Pena que o personagem do Liam apareceu no pior filme :(

    Tenha um lindo 2016 \o
    Nana - Obsession Valley

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi flor!
      KJAHIUAHOUGABGAOUGBA LÊ, lê sim! Eu te Darei o Sol foi o melhor young adult que eu li na vida, a narrativa vai tocar tua alma. Esse aqui também é nesse nível :')
      A DIAGRAMAÇÃO, POIS É! Achei que o livro era todo simples e tal, mas NÃO, quase achei que tinha pegado uma edição da Darkside na mão HAHAHAHAHAHA
      VAI GOSTAR SIIIM, STAR WARS É VIDA! Os episódios I e II são nhé, como eu disse, mas vale a pena porque os outros são destruidores <3 o personagem do Liam é excelente, tho. Vai se apaixonar por ele!
      Ótimo 2016 pra ti!

      Beijos,
      Denise Flaibam.

      Excluir
  4. Oii Denise, tudo bom?
    E que resenha foi essa, garota? Sério, tá de parabéns, você me fez sentir tudo o que você sentiu ao ler o livro sem eu nunca ter tocado em uma única página da história.
    J´s ouvi falar muito de O Céu está em Todo Lugar e já peguei algumas vezes para ler, porém como não estava realmente com vontade acabava o recolocando no lugar, mas depois dessa resenhas não vou pensar nem duas vezes!
    Estante de uma Fangirl

    ResponderExcluir

Deixe seu comentário, sua opinião é sempre muito bem-vinda!