Resenha: Jovens de Elite


Quando a pessoa sabe escrever bem, ela sabe escrever bem até o fim dos tempos. Marie Lu já se provou uma mestra na arte da narrativa e do bom desenvolvimento de uma história na trilogia Legend, e chegou arrasando tudo o que tinha direito com Jovens de Elite. Uma trama surpreendente, absolutamente original, que tem tudo para arrebatar a sua atenção.

Sinopse: Bestseller do The New York Times com excelente repercussão entre público e crítica, Jovens de Elite é o primeiro de uma série de fantasia ambientada na era medieval e protagonizada por jovens que desenvolvem estranhas cicatrizes e poderes especiais ao sobreviverem a uma febre que dizimou boa parte da humanidade. Entre eles está Adelina, que, após se rebelar contra o destino imposto a ela por seu pai, encontra um novo lar na sociedade secreta Jovens de Elite, vista por alguns como um grupo de heróis, por outros como seres com poderes demoníacos. Heroína ou vilã? Num mundo perigoso no qual magia e política se chocam, Adelina descobre o lado sombrio de seu coração. Da mesma autora da aclamada trilogia Legend, Marie Lu, Jovens de Elite é o início de uma saga arrebatadora. Perfeita para fãs de histórias de fantasia medieval como Game of Thrones, com vilões dignos de Star Wars e X-Men.

Uma estranha febre dizimou a população do mundo antigo criado pela autora. Os que sobreviveram à doença adquiriram poderes sobrenaturais, forças inexplicáveis que derrubam os pilares do controle imposto pelo governo autoritário. Eles se tornam uma ameaça, e ameças são julgadas como atrocidades - os chamados "malfettos" são condenados a morte sempre que encontrados pela impiedosa Inquisição, e os que escapam dela buscam refúgio no desconhecido. Adelina perdeu a mãe para a Febre de Sangue, perdeu um dos olhos e perdeu a sua humanidade - aos olhos do pai, ela se transformou em um monstro. Os cabelos pálidos lhe conferem um ar sobrenatural, e há algo nela a ser despertado, uma força oculta que, quando controlada, será capaz de destruir nações. Ao receber auxílio dos Jovens de Elite e ter sua vida salva por eles, Adelina é confrontada com uma opção: ela pode se rebelar. Pode ajudá-los a derrubar o rei tirano que governa aquele mundo e impor mais justiça às atrocidades nas ruas lá fora. O preço para essa rebelião, no entanto, vai ser mais caro do que ela pensara.


Independentemente de qual fosse a opinião, todos sabiam seus nomes. Ceifador.  Magiano. Caminhante do Vento. Alquimista. Jovens de Elite.

Pareceu clichê? Pense de novo. Marie Lu não conta uma história de heróis. Não há um personagem completamente honrado, bondoso ou altruísta nessa trama. Jovens de Elite é uma história sobre vingança, sobre o embate entre a política medieval e a magia oculta. É uma trama sobre guerra e sobre empoderamento e sobre os limites da sua própria força. Até onde você estaria disposto a ir para derrubar um tirano? O quanto do seu poder você estaria disposto a usar para alcançar os fins desejados? Adelina é incrivelmente poderosa, mesmo instável. Ela pode criar ilusões, pode alcançar tanto poder que fará um homem acreditar estar sentindo a pior dor do mundo mesmo não infringindo nada a ele. E, por isso, ela é uma arma. Uma arma a ser controlada que, se liberta, pode se tornar irrefreável.


Adelina tem o arquétipo de uma anti-heroína. Ela não é corajosa, mas também não é covarde. Ela sabe o que quer e sabe o que precisa fazer para conseguir isso. Quando sua lealdade é posta à prova, especialmente com a irmã em risco caso falhe em sua missão, Adelina é confrontada com terríveis verdades e precisa tomar a melhor decisão para ela, mesmo com sua devoção aos Jovens de Elite. Adelina não se engana quanto ao grupo. Sabe que é uma peça no jogo de poder, que só foi salva e resgatada porque é uma arma a mais na luta contra o trono. O fato de os outros personagens nunca mentirem a ela sobre isso tornam a trama muito mais interessante, porque você nunca sabe se pode confiar completamente neles - a história cria empatia, mas também cria uma perigosa desconfiança. A Marie Lu transformou o que deveria ser mais do mesmo em uma obra surpreendente, de novo.

Posso criar ilusões. Posso conjurar imagens que não estão ali de verdade e fazer as pessoas acreditarem que são reais.

Além da Adelina, temos os Jovens de Elite. Liderados por um príncipe exilado - o herdeiro legítimo do trono - são um grupo rebelde que vêm tocando o terror silenciosamente, criando lendas em cima de seus feitos, deixando rastros e sombras onde o governo pode ver, mas jamais encontrá-los. São todos dotados, todos malfettos, todos amargurados com o modo como o mundo os tratou depois da doença. São poderosos e estão em busca de vingança; uma combinação muito perigosa.


Enzo é o príncipe herdeiro, marcado pela Febre de Sangue e exilado pela própria força. Enzo pode drenar fogo de dentro de si mesmo, e ele é um incêndio prestes a flamejar sobre o seu próprio reino. Enquanto os seus seguidores são mais ressentidos, mas não tão marcados pelo abandono, há em Enzo uma sombra fria e uma determinação cruel. Ele é um herói, mas também é um vilão. Ele está disposto a se arriscar, mas também a sacrificar o que for necessário, contanto que consiga derrubar o rei do trono que lhe pertence. Adelina sente admiração e temor e a necessidade de impressionar Enzo, especialmente para se provar mais que uma menina assustada; conforme seus poderes se desenvolvem frente ao príncipe, nota-se o crescimento de uma relação muito forte entre os dois.

- Enfeite suas imperfeições. Elas se tornarão suas vantagens. E, caso se torne uma de nós, vou lhe ensinar a usá-las como um assassino usa uma faca. - Seus olhos se estreitam. Seu sorriso sutil se torna perigoso. - Então me diga, lobinha. Quer punir aqueles que ofenderam você?


Mas o meu ship principal definitivamente não foi esse!

Raffaele é um Jovem de Elite, e um muito poderoso. Ele também é um acompanhante na corte de prazeres que esconde o covil dos rebeldes, de modo que seu encanto e charme natural servem a ele de todas as maneiras. Adelina sente profunda simpatia pelo rapaz logo que o conhece, e melancolia também. Raffaele é marcado pela tristeza, pela solidão que impõe a si mesmo. Ele é tão... Tão. A presença e o encantamento que ele carrega nas páginas passam para você durante a leitura. O Raffaele é quase real de tão bem construído e de tão carinhoso e cuidadoso e querido.

- O mundo é feito de incontáveis fios que conectam todas as coisas. Esses fios dão cor e vida ao mundo.

Há marcas nele que não podem ser vistas, e talvez Enzo seja aquele que mais o entenda, que mais o ame por isso. Ambos se protegem e entendem, e isso foi tão poderoso, tão marcante. A admiração e devoção do Raffaele para com o príncipe, e a resguarda e carinho do Enzo para com o Raffaele, eu queria GRITAR E SAIR ROLANDO PELO CHÃO! MEU SHIP LINDO PODEROSO O SONHO É REAL!


Os outros Jovens tiveram seus momentos grandiosos, e sei que ainda ascenderão como grandes forças - especialmente por causa do final. Eu já vou falar sobre o final, aliás, através de um gif. Cada malfetto tem um dom único que o torna inestimável para a causa. Aranha, Arquiteto, a Caminhante do Vento. São jovens excepcionais que se erguem contra um poder menor, mas tão poderoso quanto. Eu estou ansiosa pelo segundo volume para ver como a Marie vai desenvolver os conflitos, já que o final foi um choque. Um choque absoluto, mesmo. Nem nas minhas teorias mais loucas eu tinha imaginado que a autora seria capaz de fazer aquilo, aos quarenta e cinco do segundo tempo. Foi um tapa na cara e de repente VOCÊ ACHOU QUE TINHA ACABADO? NÃO, AINDA TEM MAIS UM SUSTO! A força da Adelina, o alcance do seu poder ali no capítulos finais. Cara, essa menina vai salvar o mundo ou reduzi-lo ao pó.

- Quanto mais medo e ódio houver no ambiente, mais forte você fica. O medo cria as ilusões mais fortes. Todos têm a escuridão dentro de si, por mais escondido que seja.

Do outro lado da história, conhecemos o antagonista, Teren - sim, não é uma história sobre heróis, mas existe um vilão. Ele é a alma profana da trama, um homem que acredita na pureza da Inquisição, um fanático pela rainha e pelo desejo de servi-la a todos os custos. Existe algo de errado com Teren, muito além das ideologias cruéis e a necessidade de extinguir todos os malfettos existentes. Conforme a trama se aprofunda na história desse personagem as coisas a respeito dos seus trejeitos e dos seus ideais vão ficando mais claras e ainda mais assustadoras. A devoção dele à rainha é diferente daquela que Raffaele e os outros Jovens de Elite têm para Enzo. É uma paixão arrebatadora, quase como se a sua alma pertencesse completamente à mulher que deveria sentar no trono. E todo mundo sabe como um fanático apaixonado é perigoso.


Marie Lu me conquistou completamente com a trilogia Legend, especialmente pela narrativa frenética muito bem orquestrada e pelos momentos surpreendentes e corajosos. Seus personagens são vivos, são bem caracterizados e são muito fieis às suas personalidades, mesmo que isso pareça cruel, mesmo que suas decisões sejam arriscadas, mesmo que isso os leve à morte. Jovens de Elite conta a história de garotos e garotas lutando pela própria liberdade, pelo direito de ascenderem sobre a sociedade que os julgou descartáveis. Conta a história de uma garota capaz de controlar ilusões e de criar uma realidade para ela mesma, poderosa no que pode ser uma vingança sangrenta. É um livro altamente indicado para todos que gostam de uma trama poderosa e um final incerto.

Será que mesmo a ilusão da dor pode provocar algo real?

Título original: The Young Elites
Autora: Marie Lu
Editora: Rocco
Gênero: Fantasia / Romance
Nota: 5 +

Saiba Mais: Skoob | Buscapé | Saraiva | Extra

Share this:

, , , ,

COMENTÁRIOS

0 comentários:

Postar um comentário

Deixe seu comentário, sua opinião é sempre muito bem-vinda!