Como foi a Flipop!


Eu consegui participar da Flipop, senhoras e senhores, e com certeza vai entrar para a história como um dos melhores dias da minha VIDA. Só pude participar do evento no sábado, infelizmente, mas valeu a pena cada segundo. Desculpa roubar a frase tema da CCXP, mas: FOI ÉPICO!

Para quem não sabe, a Flipop é uma Feira de Literatura Pop organizada pela Editora Seguinte. Essa foi a primeira edição da feira - mas tenho certeza que, com o sucesso, muitos anos ainda virão! Não poderia ter sido um evento de abertura mais grandioso, honestamente. A Editora Seguinte trouxe dois autores internacionais - Alwyn Hamilton, de A Rebelde do Deserto, e Benjamin Alire Sáenz, de Aristóteles e Dante Descobrem os Segredos do Universo - além de muitos autores nacionais incríveis - Bárbara Morais, Larissa Siriani, Eric Novello, Jim Anotsu, Vitor Martins, Babi Dewet, e muitos outros.

A feira teve muitas semelhanças com a Bookcon que acontece lá nos Estados Unidos - é um evento íntimo, com estandes pequenas e alguns lançamentos exclusivos. O contato com os autores foi maravilhoso, eles estavam em todos os cantos, conversando com todo mundo, dedicando tempo e simpatia para atender todos os leitores que os abordavam. Tudo muito bem organizado e respeitoso para todos os lados.

Além dos estandes, a feira também trouxe algumas brincadeiras, como o tiro ao alvo (licença que eu derrubei uma garrafa, sou bem Rebelde do Deserto mesmo) e uma cabine de fotos (eu e as meninas do Livros Ontem, Hoje e Sempre surtamos muito, bem fangirls). O Turista Literário também tinha uma mesa, onde estava apresentando o projeto e convidando o pessoal a assinar (eu queria tanto, porém a falta de dinheiro não me permite ainda). O kit entregue aos participantes da Flipop continha um cupom que te dava ao direito de tirar a sorte na mesa do Turista Literário e ganhar um brinde; eu consegui um souvenir exclusivo de alguma das caixinhas deles! Escolhi a fronha de A Melodia Feroz porque foi uma das minhas melhores leituras do ano e com certeza queria ter essa lindeza comigo até nos meus sonhos.
Com a amada Mari Scotti (autora da série Neblina e Escuridão e Montanha da Lua)
A linda da Thati Machado (autora de Poder Extra G e Singular)
Além desse cupom, o kit veio com muitos marcadores dos livros da Editora Seguinte, um botton exclusivo e, claro, a ecobag maravilhosa da Flipop. Vou guardar com muito carinho para sempre!

A Flipop foi organizada de modo que as pessoas podiam passear livremente pelo espaço da feira, ou participar dos painéis que rolavam no auditório. Muitos temas atuais abordados com simpatia e bom humor através dos autores convidados. Assisti ao painel "O poder da internet", onde a Pam Gonçalves, Eduardo Clito e a Chris Salles falaram sobre o alcance das redes sociais e a internet no geral, como isso influenciou suas carreiras, seus trabalhos e sua vivência. O interessante desse painel é que mesmo conhecendo os autores - seja através dos seus livros ou através dos canais do Youtube, como é o caso da Pam e do Eduardo - tivemos a oportunidade de conhecê-los ainda mais. É um contato legal, e eu adoro palestras do tipo porque a gente sempre tira dicas e mensagens pra levar conosco depois delas.
Mesa sobre O poder da Internet.
Minha favorita do dia foi a mesa sobre Diversidade na Ficção, com a Bárbara Morais, o Eric Novello e o Jim Anotsu. Eles falaram basicamente tudo o que eu e as meninas sempre conversamos a respeito; o que significa representatividade, como isso tem crescido na literatura jovem, o olhar crítico que tem se expandido nos leitores mais novos e como isso influencia os autores que estão chegando - e como ainda tem autor que se esconde da realidade e prefere fechar os olhos ao invés de se adaptar para trazer um conteúdo mais diversificado ao mundo literário. Também comentaram sobre a polêmica (desnecessária, por sinal) dos "leitores sensíveis" que rondou as redes sociais nos últimos dias. Adorei o surto-calmo da Bárbara Morais sobre como isso não é censura, e se você pensa que é censura, tá bem errado (em resumo, porque eu queria trazer pra cá todo o discurso dela). As histórias do Jim Anotsu também foram bem emocionantes; ele falou sobre a vivência, sobre ser um dos poucos (se não o único) autor negro de sucesso aqui em solo nacional, sobre representar e dar espaço e como isso não é mais do que a obrigação de um autor que vive num ambiente tão diverso.
PENSA NUMA PESSOA MARAVILHOSA: Alwyn
Por fim, o último painel do dia foi da Alwyn Hamilton, autora de A Rebelde do Deserto e A Traidora do Trono (e do vindouro último volume intitulado "Hero at the Fall"). Alwyn é um amor de pessoa, dá vontade de abraçar e não largar nunca mais! Ela falou bastante sobre suas inspirações para a construção do mundo onde a Amani vive, sobre o desenvolvimento da história, processo produtivo, como foi encontrar uma agente e todo o crescimento da sua carreira (com bom humor, Alwyn contou sobre a escrita do primeiro livro e de como houve momentos em que ela deitou no chão da casa do irmão e ficou olhando para o teto em busca do sentido da vida, porque nada fazia sentido na história. GENTE COMO A GENTE!). Ela falou rapidamente e sem spoilers sobre o que podemos esperar do terceiro e último volume da série: Amani vai liderar, um poder oculto que não acreditávamos ser capaz de retornar vai voltar para aquele mundo, e podemos esperar grandes emoções a respeito do grande final. Durante os autógrafos, perguntei para a Alwyn se o Jin estava a salvo porque ELE É MEU BEBÊ, POR FAVOR NÃO O MATE. Ela disse que não podia garantir isso, mas podia me dizer que "Jin vai ter cenas bem sexies". Fiquei feliz, não nego.

Descobri que a Alwyn é amiga da Leigh Bardugo - e nem chorei, só fiquei tremendo. E a Iza do blog Livros Ontem, Hoje e Sempre tentou descobrir que a Alwyn conhecia a Sarah J. Maas, mas não conhece (ainda). Só é fã dos trabalhos.

Com o lindo do Vitor Martins (autor de Quinze Dias) 
Da série: sou fã e nem li o livro - Eric Novello (Ninguém Nasce Herói)


Na hora dos autógrafos, corri atrás do Vitor Martins - autor de Quinze Dias - e ele é um fofucho maravilhoso que merece todo o amor do mundo. O Eric Novello é muito simpático e tem ideias incríveis, comprei o novo livro dele por causa dos seus discursos lá no painel. Ninguém Nasce Herói é uma aposta da Editora Seguinte e tenho certeza que vai valer a pena cada segundo de leitura.
Nem um pouco fangirl.


Daí, claro, fui até a Alwyn e o Benjamin e meu coração fangirl quase não aguentou. O Benjamin é um fofo, simpático e adorável. Ele é todo quietinho e calmo e dá vontade de guardar num potinho. A Alwyn, por outro lado, é cheia das conversas e eu atrasei a fila porque fiquei falando de mil e uma coisas com ela. Perguntei sobre o Jin, como mencionei ali, e também perguntei sobre um detalhe que ela disse ter mudado em A Traidora do Trono (não vou contar o que, porque é spoiler, mas foi uma traição que rola lá no final do livro). Ela me reconheceu como a garota que surtou quando ela tinha mencionado a Leigh Bardugo e né, não posso negar, Leigh é minha religião. Ela também reconheceu meu colar do Anjo Mecânico e surtamos porque Cassandra Clare. Enfim, a Alwyn é fangirl, é linda, escreve livros maravilhosos e tem um sotaque incrível. Melhor pessoa!

As lindonas: Iza e Carol do blog Livros Ontem, Hoje e Sempre <3

O evento continuou em um Baile inspirado na série A Seleção, mas tive que ir embora antes dele. Mas, de novo, cada segundo da Flipop valeu muito a pena.







A Editora Seguinte arrasou do início ao fim. Eu tenho certeza absoluta que o segundo dia de evento também foi incrível e espero que ano que vem role uma segunda edição ainda maior (sugeri trazerem a Victoria Aveyard, vai que cola!). Adorei participar desse momento épico e vou guardar cada acontecimento no meu coração.

Share this:

, , , , , , ,

COMENTÁRIOS

5 comentários:

  1. Oi Denise,
    Imagino o quanto deve ter sido maravilhoso. Só fiquei acompanhando os comentários pelo Twitter.
    Adorei o clima com os autores - deu invejinha mas ok - mas, deve ter sido ótimo pra vocês, já que esse ano não tem Bienal por aí, então deu pra sentir o gostinho haha

    Amei as fotos.

    tenha uma ótima semana =D
    Nana - Canto Cultzíneo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Nana, tudo bom?
      Foi maravilhoso mesmo! E foi umas 8 mil vezes melhor que a Bienal, sem comparação. O clima, a organização, o contato com os autores. Se eu pudesse escolher entre Flipop e Bienal, Flipop pra sempre.
      Obrigada pela visita!

      Beijos,
      Denise.

      Excluir
  2. Oi Denise, arrasoooou!
    O evento parece ter sido maravilhoso! Pena q n sou de SP, mas estou torcendo pra ter uma edição no RJ tbm! Eventos literários são muito amor <3
    Bjs
    http://acolecionadoradehistorias.blogspot.com

    ResponderExcluir
  3. Que incrível! Poderia ter em todas as cidades. Eu iria com certeza!

    Blog Paloma Marcarini

    ResponderExcluir
  4. Que texto mais amooooor <3
    E quanta gente fofa reunida
    Queria ter ido aaaaaaaaaaa

    ResponderExcluir

Deixe seu comentário, sua opinião é sempre muito bem-vinda!