Controle Remoto: The Mask You Live In

Controle Remoto: The Mask You Live In

The Mask You Live In (A Máscara na qual Você Vive, em tradução livre) é um documentário que hoje está disponível no netflix e levanta uma discussão sobre o conceito tóxico de masculinidade, que em essência, é uma rejeição massiva do feminino, e como isso afeta os garotos.

Através do depoimentos de crianças, adolescentes e homens adultos, e também especialistas em neurologia, psicologia, educação e ciências políticas e sociais, o documentário se propõe a abranger a questão da construção da masculinidade e como a sociedade exige que os garotos provem, vez e outro, que são "homens o suficiente" de forma agressiva e ampla.

A discussão lembra que masculinidade (assim como feminilidade) não é algo natural, mas uma construção social que se baseia na completa rejeição do oposto. Desde muito cedo, os meninos são ensinados a agir "como um homem": não demonstrar emoções, não chorar, demonstrar interesse em esportes, ser "pegador", resolver seus problemas através da violência, encontrar validação através do sucesso financeiro. E se existir qualquer deslize nesses itens, nós, como sociedade, exigimos, através da humilhação e ridicularização -- que muitas vezes levam a respostas explosivas e violentas -- que ele se retrate 

A forma como socializamos os garotos exige deles um padrão de comportamento irreal e inalcançável, especialmente quando os ensinamos que eles são o gênero dominante da sociedade e exigimos que eles guardem todas as suas emoções, problemas e sentimentos para si mesmo. Esse combinação, em particular, mostra-se completamente perigosa para o convívio social, retornando na forma de misoginia e machismo.

Controle Remoto: The Mask You Live In

Ensinamos aos garotos que um homem de verdade consegue o que quer, que um homem de verdade é um pegador e que um homem de verdade não fala sobre como se sente, e depois nos mostramos chocados e sem entender o que leva um estudante a abrir fogo contra seus colegas de universidade, em especial contra as garotas de uma certa irmandade que tinham o rejeitado -- como foi o caso do atirador de Isla Vista, nos EUA, em 2014. 

A socialização dos garotos, com a persistente ideia tóxica de masculinidade como uma compulsória repulsa pelo feminino, leva a um contigente de homens que são menos capazes de serem empáticos e carinhosos, e embora a discussão esteja se ampliando e a cultura alterando, ainda insistimos em papeis tradicionais que levam a perpetuação de papéis de gênero tóxicos, onde não encaixar no que é esperado de "masculino" torna você um pária.

A primeira vez que eu assisti ao documentário foi assim que ele entrou na netflix, e ele veio para agregar informações e dados importantíssimos as minhas descobertas sobre o feminismo. Falamos muito sobre o machismo e como combatê-lo nos meios mainstream, mas pouco falamos da origem dele, que não é apenas na construção do feminino. 


Falamos constantemente sobre deixar as crianças brincarem com o que querem, usarem a cor que quiserem, insistimos que não existe "brinquedo de menina" e "brinquedo de menino", mas não nos aprofundamos muito no assunto para apontar e dizer "olha, é aqui que está nascendo o problema".

Acredito que The Mask You Live In é um adendo importante na nossa luta diária contra o machismo e a misoginia, porque as mulheres são as principais vítimas, mas os homens os principais perpetradores da violência de gênero, e compreender as raízes e como reagimos e continuamos a disseminá-la, é também um caminho para iniciar -- ou dar continuidade -- a transformação.

Share this:

, , ,

COMENTÁRIOS

8 comentários:

  1. Oi Bibs!
    Não conhecia esse documentário, mas fiquei interessada! Realmente os meninos e homens também sofrem muito com o machismo... O feminismo, que é a luta por direitos iguais, pode ajudar a mudar isso.

    Beijos,
    Sora | Meu Jardim de Livros

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Sora!
      Acabar com o machismo só vai deixar o mundo melhor pra todo mundo, né.
      Indico fortemente o documentário!

      bjs

      Excluir
  2. Oi, Bia!
    Eu não conhecia o documentário, mas gostei muito do assunto abordado.
    O que mais me choca é que, por conta desse negócio de "ser homem", os homens sofrem bastante pressão e por isso a taxa de suicídio entre eles é bastante alta.
    Beijos
    Balaio de Babados
    Concorra ao livro Depois do Fim autografado
    Participe do sorteio de aniversário do Balaio de Babados e O que tem na nossa estante

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, Luiza!
      O documentário também aborda isso. Quando os garotos chegam a adolescência, eles são 7 vezes mais prováveis de cometerem suicídio do que as garotas da mesma idade. Essa noção de masculinidade só está prejudicando os meninos, é um impacto emocional e psicológico muito grande e perigoso. :/

      bjs

      Excluir
  3. Olá!
    Eu adoro assistir documentários, e não sabia desse que está na Netflix. Achei super interessante e vou assistir
    Beijos,
    Meise Renata.
    viciadas-em-livros.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Renata!
      Também adoro documentários, a Netflix tem alguns super legais.
      Espero que você ache esse tão produtivo quanto eu achei!

      bjs

      Excluir
  4. Olá, Bibs.
    Não sou muito de assistir documentários. Mas pelo tema abordado eu me interessei bastante em assistir esse. Acredito que esse é um problema que muitas vezes é causado pelos próprios pais quando os garotos são ainda crianças. Vou anotar aqui para assistir.

    Prefácio

    ResponderExcluir
  5. Oi, Bibs

    Achei o tema do documentário excelente. E o engraçado é que nas postagens do Facebook em que alguém levanta algo sobre machismo os próprios homens vêm atacar as mulheres como se nossa opinião ferisse o direito deles de agir de determinada forma.

    Já tive problema até dentro de casa sobre a questão do que é de menina e o que é de menino... mas no caso foi com o desenho Ladybug e um abençoado chegou e falou pro meu sobrinho assistir desenho "de homem", que, por sua vez, sempre são violentos.

    Enfim, eu não sou de assistir documentário, mas por esse me interessei.

    Beijo
    - Tami
    http://www.meuepilogo.com

    ResponderExcluir

Deixe seu comentário, sua opinião é sempre muito bem-vinda!