Resenha: The Cruel Prince (O Príncipe Cruel) - Queria Estar Lendo

Resenha: The Cruel Prince (O Príncipe Cruel)

Resenha: The Cruel Prince

The Cruel Prince (O Príncipe Cruel) é o primeiro volume da nova série da Holly Black. O título foi publicado aqui no Brasil pela Galera Record. Ambientado em um mundo dominado por feéricos, conta a história de três irmãs levadas até lá contra a sua vontade - e o modo como uma delas aprendeu a sobreviver a todas as coisas cruéis que existem naquela realidade mágica.
Sinopse: Jude tinha 7 anos quando seus pais foram mortos e ela e suas duas irmãs foram roubadas para viverem na traiçoeira Suprema Corte de Faerie. Dez anos depois, Jude quer Ten years later, Jude quer nada mais que pertencer ao local, apesar de sua mortalidade. Mas muitos dos fey desprezam humanos. Especialmente o príncipe Cardan, o mais novo e mais perverso filho do Grande Rei. Para ganhar um lugar na Corte, ela deve derrotá-lo - e enfrentar as consequências. Ao fazer isso, ela se envolve em intrigas e decepções do palácio, descobrindo sua própria capacidade para o derramamento de sangue. Mas como uma guerra civil ameaça afundar a Corte de Faerie em violência, Jude precisará arriscar a vida em uma aliança perigosa para salvar suas irmãs, e a própria Faerie.
Jude viu sua mãe e seu pai serem mortos quando ainda era criança. O assassino? O pai de sua irmã mais velha, Vivi. Madoc é um feérico e foi até a casa das garotas para buscar a filha. Acabou saindo de lá com as irmãs mais novas dela junto, que adotou para si. Os anos se passaram e Jude agora faz parte da realidade mágica; tenta, pelo menos.

Para uma mortal, viver em meio à crueldade e perversidade dos imortais é complicado. Sobreviver, mais precisamente, é uma provação sem fim. Jude é perspicaz e feroz e por isso não baixa a cabeça diante dos horrores que o mundo dos feéricos tem a oferecer. Ela está determinada a se provar resistente, a mostrar que pertence aquele lugar. Nem que, para isso, precise se envolver em tramoias políticas e uma guerra silenciosa pela coroa.
Feéricos são criaturas do crepúsculo, e eu me tornei uma também.
Fui influenciada por muitos elogios e foi com alegria que eu descobri que todos eles são bastante verdadeiros; The Cruel Prince é uma obra fascinante em toda sua bizarrice. Holly Black realmente sabe como contar histórias sobre fadas perversas e um universo sombrio e encantador.

Resenha: The Cruel Prince

Através do ponto de vista da Jude, somos apresentados a Elfhame, essa terra encantada onde centenas de criaturas fantásticas convivem em harmonia - ou o mais próximo disso. Jude e Taryn, sua irmã gêmea, são uma das poucas humanas presentes entre os imortais e por isso alvos fáceis para os feéricos ansiosos por aterrorizá-las. Jude viveu o suficiente para saber como reagir - ou como não reagir - às provocações e caçadas e olhares enviesados.
Em vez de sentir medo, eu poderia ser temida.
Eu gostei bastante do desenvolvimento da protagonista exatamente por ela saber equilibrar poder e fraqueza; por ver as coisas que a tornam frágil e lutar para derrubá-las sob sua força. Ela é uma humana em meio a monstros, a criaturas centenárias ansiosas por alcançar seus maiores medos e usá-los contra ela, imortais que só querem se divertir com o seu sofrimento ou mesmo com a sua própria diversão. Para os outros, Jude é uma presa. Para a história, é uma caçadora.
Eu não desejo me sair bem no torneio como um dos feéricos. Eu quero ganhar. Não quero ser tratada com igualdade. Em meu coração, eu quero ser melhor que eles.
A trama envolve muito de Jude evoluir e aprender a jogar os joguinhos dos feéricos, principalmente os que fazem parte da corte real. Sua história se entrelaça à coroa e a um dos príncipes, que está ali para oferecer à Jude uma chance de se provar; uma chance de conquistar seu lugar nas terras mágicas.

Resenha: The Cruel Prince

Em meio a isso, somos apresentados a coadjuvantes carismáticos e perturbadores. Cardan é o mais importante entre eles. Caótico até o último fio de cabelo, ele é um incógnita em boa parte da trama. Sombrio e maléfico como todos os outros, Cardan carrega olhares e uma postura difícil de decifrar.
Nunca? Nunca é como para sempre - imensurável demais para mortais compreenderem.
Tudo o que sabemos é que ele e Jude são opostos, que se odeiam e que planejariam a morte um do outro se pudessem - e podem. Ao mesmo tempo em que temos essa visão, a narrativa também desenvolve algumas reviravoltas para mostrar a humanidade dele; tal como Jude carrega frieza e crueldade, Cardan também parece ter alguns traços frágeis. E entendê-los é o que torna a sua história tão fascinante.
"Por acaso já falei o quanto está horrorosa hoje?" 
"Não," eu respondo, grata por ser arrastada de volta ao presente. "Me diga."
Esse não é o tipo de relacionamento que eu shipparia facilmente. Se eu não considerasse a Jude tão sã e ciente das suas escolhas, veria a relação dos dois como algo bem mais perigoso do que é; por estarem no mesmo patamar e se entenderem como mais ninguém ali, toda a situação os joga nas melhores cenas do livro. O tipo de interação que solta faíscas e te faz ficar ansiosa por mais.

Resenha: The Cruel Prince

Em relação à "família" - se é que pode-se chamar assim - Jude é bem mais aberta e por isso o perigo é maior. Madoc é o assassino dos seus pais, mas também é o imortal que a treinou e fortificou e ensinou a pensar de acordo com as regras malévolas do reino feérico. Vivi é parte humana e parte mágica, mas tem seu coração preso à Terra e à vida que deixou para trás. Seus embates com Jude são interessantes porque, mesmo sendo parte de Elfhame, Vivi não quer aquele lugar; e Jude, mesmo mortal, está ansiosa para conquistar seu espaço.

Taryn foi um pouco decepcionante para mim. Não esperava grandes coisas dela e o seu arco na trama serviu mais para inflar o incêndio que eram as emoções da Jude do que para ser relevante, de fato.
Se eu não posso ser melhor que eles, vou me tornar algo muito pior.
A ambientação foi fascinante, do tipo que te transporta para esse mundo esquisito e invertido e te faz acreditar que está ali. O desenvolvimento das tramas políticas e as reviravoltas na trama principal me deixaram sem fôlego; é tudo inesperado, como os melhores plot twists sempre são. E o modo como tudo se conecta através de pequenos detalhes mostra a atenção da autora ao compor um cenário tão majestoso e perigoso.

The Cruel Prince é perfeito para quem ama fantasia, personagens femininas fortes e o tipo de história que vai te deixar de ponta cabeça ansiosa por mais.

Título original: The Cruel Prince
Autora: Holly Black
Editora: Hot Key Books | Galera Record
Gênero: Fantasia
Nota: 5
Skoob


GOSTOU DO LIVRO E QUER AJUDAR A MANTER O BLOG? ENTÃO COMPRE PELOS NOSSOS LINKS!

Share this:

, , , , ,

COMENTÁRIOS

14 comentários:

  1. Oiii Denise

    Estou esperando esse livro ser publicado em português, muito curiosa pra conferir essa ambientação e tb a trama que parece ser maravilhosa, todas as resenhas que li seme xceção colocam esse livro super bem.

    Beijos

    www.derepentenoultimolivro.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Alice!
      Tá chegando agora nas livrarias, então vou aguardar tua resenha! Espero que curta bastante *o*

      Beijos.

      Excluir
  2. Oi, Denise
    Eu confesso que tramas com feéricos não me chamam tanto atenção, acho que foi ACOTAR que me deixou com essa impressão, mas eu ainda assim gostaria de conhecer essa história pela protagonista, ela é daquelas que a gente gosta de cara, que tem força mas também tem leveza. Se caso eu conseguisse um exemplar, tenho certeza que devoraria.
    Beijo
    http://www.suddenlythings.com/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Mi!
      Realmente, se não se deu bem com ACOTAR - que, eu considero, pessoalmente, bem mais romance que fantasia, não vai curtir tanto esse. A Holly pega beeem mais pro lado fantástico e tem muito pouco de romance.
      Mas vale a tentativa, quem sabe!

      Beijos.

      Excluir
    2. acotar eu acho que foi o mais fraco da trilogia, pq a sarah queria apresentar a feyre e o rhys acima de tudo, mas no segundo livro, as reais personalidades deles são apresentadas,acotar foi um lixo perto de acomas, a relação tamlinxfeyre só mostra um relacionamento abusivo, enquanto a relação dela com o rhys mostra um dos relacionamentos que eu particulamente achei a melhor de todos os livros que eu já li.

      Excluir
  3. Denise, quero e quero muito!
    Primeira resenha que leio do livro e achei muito legal.
    Achei a capa bem parecida com a proposta de A Princesa de Papel, tanto que achei que fosse da mesma série ou algo assim.
    Adoooro féericos. Ainda não consegui superar os livros da Maas.
    Amei a resenha e já anotei na wishlist.

    Beijoooos

    www.casosacasoselivros.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Teca!
      AHHHHH que ótimo a resenha ter te animado tanto assim!
      Eu não lembrava da capa da Princesa, mas o padrão é realmente parecido. De The Cruel Prince eu queria o com a capa preta, pena que tava muito caro </3
      Esse livro tem bem a vibe dos livros da Maas!

      Beijos!

      Excluir
  4. Oi, Denise! Tudo bom? ^-^
    Já tinha visto a edição americana desse livro na Amazon e, apesar de achar a capa MARAVILHOSA, nunca tinha parado pra ler a sinopse ou me informar sobre o que se tratava a história. Meu Deus, eu devia ter feito isso antes!
    Simplesmente adorei as pontuações que você fez ao longo da resenha, e os quotes só contribuíram pra me deixar ainda mais interessada.
    Particularmente não gosto muito de começar a leitura de séries que ainda não estão completas (ansiedade me ama MUITO), mas confesso que depois da sua resenha, estou considerando seriamente fazer a loucura de comprar e devorar esse livro, só pra ficar na sofrência da espera pelos volumes seguintes XD
    Mais um livro adicionado à wishlist com sucesso!

    Um super beijo e uma ótima semana! :* <3
    www.inconstantecontroversia.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Rafa! Tudo bom e contigo?
      Amo quando a capa ganha a gente, aí vem a história e conquista mais ainda!
      Fico muito feliz por tu ter curtido tanto a resenha. Quando gosto muito de um livro é sempre difícil explicar tudo que gostei; fiz o meu melhor.
      ENTENDO MUITO isso de não querer começar série sem estar terminada, mas eu também sou da vibe "OLHA TODAS ESSAS FANARTS E SURTOS NO TUMBLR" ai acabo pegando o livro logo no início e sofrendo o caminho todo da publicação da série uhHUASUHASUHASUHASUH
      Espero que curta!

      Beijos!

      Excluir
  5. Oi Denise!
    Eu devo ser excessão da regra, mas os livros da Holly Black não dá. Eu ja tentei varias experiencias com essa autora e em todas elas, falhei miseravelmente. Sempre me irrito ou canso da historia, então, lamento, mas essa fantasia ai, eu passo KKK. Não dá, eu tenho problema com essa autora.

    Abraços
    David
    http://territoriogeeknerd.blogspot.com/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, David!
      Ih, relaxa! Deus sabe que eu não passo perto de livro da Colleen Hoover nem que Jesus desça do céu e me entregue um na mão. Quando o santo não bate com a autora, não tem história que convença UHASUHASUHUHASUHAS

      Beijos!

      Excluir
  6. Oi, Nizz!
    Pra ser bem sincera, eu estou com os dois pés atrás com esse livro. Uma amiga minha leu e não curtiu. Tipo, ela é como nós duas, a louca das fantasias. Daí eu já estava com um pé só.
    O segundo pé foi quando saiu o livro e eu vi algumas reviews. Alguns detalhes me lembrou muito ACOTAR e esse Cardan bem aí tá mais pra uma cópia do Rhysand, ser que peguei um ranço terrível. Então, eis o meu dilema com esse livro. Mas hey... mesmo que eu não leia, ainda estou considerando ler Gentleman's Guide of Vice and Virtue, então não precisa nascer o sentimento de querer me dar na cara HAHHAHAHHAHAHHA
    Beijos
    Balaio de Babados
    Concorra a um exemplar autografado de O que eu tô fazendo da minha vida
    Sorteio de aniversário Balaio de Babados e O que tem na nossa estante. São quatro kits; um para cada ganhador

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Lu!
      Olha, não corro atrás de você nesse caso porque indicação de amiga que a gente confia é lei. Quando a Bibs ou a Duda desgostam de um livro eu já viro a cara porque sei que dificilmente vai rolar pra mim :P
      Agora deixa eu só falar que: CARDAN >>>>>>>>>>>>> Rhysand.
      Pelo menos ele não fica bancando o feérico bonzinho e igualitário pra se mostrar um palerma logo depois, cof cof. Preciso jogar umas verdades aqui na mesa...
      AAAAAAAAAAA LEIA O GUIA, POR FAVOR!

      Beijos.

      Excluir
  7. Oi Denise!
    Gostei de ler sua opinião, o livro já estava na minha listinha!
    Fiquei curiosa com esse romance cheio de faíscas aí hein, adoooro, hahah
    Nunca li nd da Holly, então essa é a oportunidade!
    Bjs
    http://acolecionadoradehistorias.blogspot.com

    ResponderExcluir

Deixe seu comentário, sua opinião é sempre muito bem-vinda!