Resenha: Encontrando-me

  • 09:00
  • 23 de set. de 2020
  • Resenha: Encontrando-me

    Encontrando-me é o terceiro livro da Cora Carmack a abordar os amores e aventuras de três jovens amigos. No primeiro, Perdendo-me, conhecemos Bliss e Garrick; no segundo, Fingindo, conhecemos Cade e Max; e agora acompanhamos Kelsey e Hunt em uma viagem pela Europa onde tentam descobrir quem são e para onde vão.


    Sinopse: A maioria das garotas mataria para passar meses viajando pela Europa após a formatura da faculdade, sem responsabilidade, sem os pais e sem limite nos cartões de crédito. Kelsey Summers não é exceção. Ela está tendo o momento de sua vida... ou isso é o que ela continua dizendo a si mesma.
    É um negócio solitário, pois está tentando descobrir quem ela é, especialmente porque está com medo de não gostar do que pode encontrar. Nenhuma quantidade de bebida ou dança pode afugentar a solidão de Kelsey, mas talvez Jackson Hunt possa. Depois de alguns encontros casuais, ele a convence a fazer uma viagem de aventura ao invés de ficar bebendo. A cada nova cidade e experiencia, a mente de Kelsey se torna um pouco mais clara, e seu coração menos. Hunt ajuda a desvendar seus próprios sonhos e desejos, mas quanto mais ela conhece sobre si mesma, mais percebe o quão pouco ela sabe sobre ele.

     

    Kelsey Summers não sabe o que fazer agora que a faculdade acabou. Por isso, embarca em um mochilão pela Europa, em busca de algo que lhe diga o que fazer. Voltar para a casa dos pais não é uma opção, já que seu relacionamento é tão conturbado. Mas a viagem não está realmente entregando o que ela quer. Até que conhece Hunt.

    Um homem misterioso e lindo, que parece imune aos encantos de Kelsey. Ele rapidamente passa a ocupar todos os seus pensamentos e, quando ela achava que estava prestes a desistir de sua aventura, Hunt a convence e os dois partem juntos em busca de propósito.

    Já faz uns bons 6 anos que li Perdendo-me, mas a minha lembrança era de um romance divertido e gostosinho. Por isso, a Cora comumente figura minha lista de autora de romance saudáveis. Mas é uma revisão que farei a partir de agora.

    Eu tinha esperanças de gostar muito de Encontrando-me, estava certa de que seria uma leitura leve e rápida e fácil. Mas meu deus, como eu estava enganada. Os primeiros 25% até foram assim, mas logo que ela decidiu falar como a Kelsey se sentia perdida e sem lugar no mundo, enquanto refletia sobre um memorial do Holocausto, eu soube que ia ter problemas.

    Quanto mais a leitura avança, mais notável ficam os temas principais da leitura: os traumas de Hunt e Kelsey. Cora Carmack escolhe abordar alcoolismo, transtorno pós-traumático e abuso sexual no passado das personagens, mas faz isso de uma forma tão terrível que me senti mal lendo.

    O abuso sexual é romantizado como um passado sofrido, feito para fragilizar Kelsey e permitir que ela seja salva por Hunt - que tem um claro complexo de herói. Algumas cenas me lembraram produções audiovisuais que tentam transformar o abuso sexual em algo bonito e me incomodou muito.

    Sem falar como o fim da a entender que ao compartilhar sobre o abuso que sofreu com Hunt e Bliss, e ser acolhida por ambos, Kelsey é capaz de superar seu passado e seguir em frente. É importante reforçar que ser acolhida pelas pessoas que você ama, ter seu trauma validado e sua verdade respeitada, é essencial. Mas é apenas o começo da jornada de cura. Cora Carmack faz parecer que isso é tudo que ela precisava.

    Também tem a forma como o alcoolismo e o transtorno pós-traumático foram tratados. O alcoolismo foi abordado como algo que você pode superar com força de vontade. Que um alcoólatra tem o poder de beber álcool e seguir o dia normalmente apenas porque ele quer, sem precisar falar com o padrinho ou ir a reuniões do AA ou sequer ter uma nova recaida. Na história, Hunt tem mais autocontrole sobre seu vício/doença do que sobre seus desejos por Kelsey!

    Junto disso temos o transtorno pós-traumático, que é tratado como algo que Hunt já superou. Ele sempre fala como se isso estivesse no passado, nenhum gatilho é mencionado ao longo da história, nada. Porém ele não dorme e ataca Kelsey uma noite enquanto dormem. Esses não são sintomas de pessoas que superaram TPT. Além disso, os traumas de Hunt não foram realmente desenvolvidos ou propriamente abordados. O máximo que temos é uma explicação de onde eles surgiram.

    Enfim, tudo isso misturando, mais a lentidão com a qual a segunda parte do livro passou, fez com que eu me decepcionasse demais com Encontrando-me. O livro não tem uma narrativa ruim, não foi mal escrito e os personagens até poderiam ser legais, se a Cora tivesse excluído o trauma da história ou os abordado da maneira correta.

    Não é um livro que me sinto confortável em recomendar devido as mensagens de que é possível superar e lidar com trauma apenas com força de vontade - e sem nem mencionar o termo terapia! Então, caso for ler, é por sua própria conta e risco.

    Título original: Finding it
    Autora: Cora Carmack
    Tradutor: Paulo Polzonoff Junior
    Gênero: Romance contemporâneo | NA
    Nota: 1,5

    Resenha: Encontrando-me

    1. Olá, Bianca.
      Eu li essa trilogia na época do lançamento e na época eu tinha uma outra visão das coisas. Por isso até gostei dos livros, meu preferido foi o livro do Cade. Mas acredito que se lesse hoje eu não gostaria tanto assim. Tanto que evito livros do gênero.

      Prefácio

      ResponderExcluir
    2. Gosto de histórias que abordam assuntos que são presentes ao nosso redor, como o alcoolismo por exemplo. Nos faz pensar como as pessoas que passam por esses problemas, se sentem.

      www.vivendosentimentos.com.br

      ResponderExcluir

    Deixe seu comentário, sua opinião é sempre muito bem-vinda!

    Tecnologia do Blogger.