Resenha: As Anônimas

  • 09:00
  • 26 de ago. de 2019
  • Resenha: As Anônimas

    Disponibilizado no Brasil pela editora Única - que nos cedeu um exemplar para a resenha -, As Anônimas é o primeiro livro de Amy Reed, e discute a cultura do estupro pelo ponto de vista de 3 colegiais que se unem em busca de justiça.


    Sinopse: GRACE SALTER é nova na cidade. Sua família foi expulsa de sua antiga comunidade depois que sua mãe, uma pregadora fanática, tornou-se uma radical liberal após sofrer um acidente e bater a cabeça muito forte. ROSINA SUAREZ, queer punk, pertence a uma família mexicana imigrante e muito conservadora. Seu maior sonho é viver de música em vez de trabalhar como babá dos seus primos e servir mesas no restaurante do seu tio.
    ERIN DELILLO é obcecada por duas coisas: biologia marinha e Jornada nas estrelas. Mas, essas duas coisas não são o suficiente para distraí-la da sua real suspeita: ela poderia ser, de fato, um androide.
    Quando Grace descobre que Lucy Moynihan, antiga ocupante de sua nova casa, foi expulsa da cidade por ter acusado os garotos mais populares do colégio de estupro coletivo, fica indignada pela garota nunca ter conseguido se vingar – e ela não é a única.
    Grace está determinada a fazer algo a respeito do que aconteceu com Lucy. Ela, Rosina e Erin formam um grupo no colégio para resistir à cultura do sexismo e boicotar o sexo de qualquer gênero com os meninos.
    Contada em diferentes perspectivas, essa história empolgante é não só uma acusação contra a cultura do estupro, como também explora, com honestidade, as mais profundas perguntas sobre adolescência e sexualidade.

    Quando Grace foi expulsa de sua cidade natal, depois de sua mãe, uma pastora batista, ter uma revelação e ir contra tudo que pregava sua antiga igreja, ela estava com raiva. Não queria se mudar do único lugar que conhecia como lar, deixar os amigos para trás e mudar toda a sua vida. Mas quando ela entra em seu quarto na nova casa e vê os pedidos de socorro entalhados na janela e no armário, deixados por sua antiga moradora, ela acaba se colocando em uma jornada em busca de justiça.

    Grace não conheceu Lucy, a garota que morou em sua casa, mas Rosina e Erin sim. Rosina é descendente de mexicanos, uma garota punk e lésbica. Já Erin é uma garota com Asperger que gostaria muito de ser um androide como Data, personagem de Jornada nas Estrelas, sua série preferida. Mesmo excluídas da vida social na escola, elas também assistiram enquanto os colegas - e a cidade inteira - desacreditavam Lucy.

    Rotulamos as coisas porque, assim, elas se tornam mais fáceis de entender.

    Assim como Grace, Lucy também foi expulsa de sua cidade. Isso depois de denunciar 3 jogadores de futebol do colégio por terem-na estuprado em uma festa. Taxada de vadia e mentirosa, com a cidade inteira acreditando que ela só queria atenção, Lucy e sua família vão embora sem deixar rastros.

    Resenha: As Anônimas

    Mas agora que Grace encontrou seus pedidos de socorro e descobriu sua história, ela sente que precisa fazer algo a respeito. E acaba convencendo Rosina e Erin do mesmo. Assim, as três fundam o grupo As Anônimas, em busca de unir as garotas do colégio, discutir o que aconteceu com Lucy, provar que acreditam nela e evitar que isso volte a acontecer.

    As Anônimas segue a mesma linha de livros como Moxie, da Jennifer Mathieu, e Lonely Hearts Club, da Elizabeth Eulberg - embora um pouco mais pesado. Digo isso porque Lonely Hearts Club discute a sororidade e apenas pincela a cultura do estupro, ao passo que Moxie se aprofunda um pouco mais no sexismo e na ideia de dois pesos e duas medidas, porém As Anônimas vai além.

    O silêncio não é sinônimo de "sim". O "não" pode ser pensado e sentido, ainda que não dito. Pode vir de um grito interno, mas mudo. 

    O livro não só discute sororidade, como explana a cultura do estupro e também aborda a sexualidade feminina. Discute paradoxos e também a ideia de que algo que pode ser bom para você, não é para mim, e tudo bem. A ideia de que liberdade é ter escolhas e ser capaz de fazê-las sem pressão social, sem ser taxada de vadia, puritana, mentirosa, etc. De conhecer a si mesma e se descobrir como um ser humano, de perceber que não importa o que você faça, ainda está sujeita as mesmas regras e punições no patriarcado.

    Resenha: As Anônimas

    Foi um livro que me deixou emocionada e frustrada na mesma medida.

    Emocionada porque, sempre que as garotas se uniam, sempre que elas demonstravam entender o que era e como se pratica sororidade, eu me enchia de esperança. Porque o ponto maior de As Anônimas é a máxima de que juntas somos mais fortes.

    [...] vai ser muito difícil mesmo, mas nada nunca vai ter ser tão terrível quanto o que você passou naquela noite. Você sobreviveu. Pode sobreviver a qualquer coisa agora.

    Porém, fiquei frustrada com as situações que elas precisavam lidar. Com as figuras de autoridade do colégio tentando por um fim no grupo por acreditar que estavam promovendo "bullying" contra os garotos (por uma greve de sexo, imagina isso?), as mesmas autoridades que desacreditaram Lucy. E isso frustra porque é tão real.

    Resenha: As Anônimas

    Estatisticamente falando, cerca de 1% dos condenados por estupro chegam a cumprir pena (e vale lembrar que as estatísticas mais otimistas alegam que cerca de 30% dos estupros são denunciados), e mesmo um livro como As Anônimas não pode fugir da realidade. Por melhor que seja o fim que Amy Reed tenha tentado nos proporcionar, a realidade que ele mostra também nos marca bastante.

    Também quero ressaltar um ponto que achei bem importante, especialmente em um livro com protagonistas tão diversas que se propôs a discutir o feminismo. A forma como Amy Reed dividiu o livro não se comprometeu apenas com o ponto de vista de Grace, Erin e Rosita. Nós também víamos o ponto de vista "Nós", que passava por diversas garotas da escola, dessa forma, nos dando vários pensamentos sobre o que estava acontecendo e os diversos tipos de mulheres que encontramos.

    As Anônimas estão aqui. E em todos os lugares.

    Nas próprias discussões ficava claro como cada garota lidava com o tema explorado a partir do seu próprio ponto de vista e da sua vivência, mostrando suas reflexões e como coisas que parecem natural para umas, ainda eram tabu na cabeça de outras, além de discutir como as interseções com o "ser mulher" (ser mulher de cor, ser mulher LGBTQ, ser mulher pobre, etc) tem influência direta com o tipo de machismo que elas sofriam e com a forma que enxergavam o próprio movimento.

    Resenha: As Anônimas

    As coisas não são perfeitas, e As Anônimas também tenta mostrar isso (mesmo que não se aprofunde tanto assim no tema), fazendo com que as próprias personagens reflitam sobre isso e busquem formas de enfrentar não só a violência comum a todas, mas as particulares de cada uma também.

    Porque elas são imbatíveis. Ninguém pode pará-las. Juntas, elas são uma só.

    No fim, pra mim, esse foi um excelente livro. Amei a discussão que ele levantou, amei a posição das personagens e o crescimento de cada uma delas; as lições que elas tiraram de todo esse projeto e o tipo de pessoas que elas certamente se tornariam - e que nos instigam a ser. Eu definitivamente recomento ele, e não é pouco. Tenha você lido algum livro do tipo ou não, As Anônimas não vai decepcionar.

    ps: se você ou alguém que você conhece é vítima de violência física ou sexual, ligue 180 e denuncie, o serviço é anônimo. E lembre-se, a culpa nunca é da vítima, a situação que ela vive não é uma escolha ou algo que ela merece, não hesite em denunciar.

    Título original: Nowhere Girls
    Autora: Amy Reed
    Tradutora: Amanda Moura
    Editora: Única
    Gênero: YA contemporâneo
    Nota: 5 +



    1. nossa que livro maravilhoso! adorei conhecer por aqui, apesar do tema mais pesado sobre estupro é mesmo super necessario abordar o tema

      www.tofucolorido.com.br
      www.facebook.com/blogtofucolorido

      ResponderExcluir
    2. Oi, Bibs!
      Não conhecia o livro, mas me encantei pela resenha que você fez. Fico com um pouco de receio de ler livros que abordam esse tema, porque muitas vezes erram a mão e outras não abordam da forma correta. Sem falar que precisamos estar bem mentalmente pra ler algo tão real e frustrante, né? Mas sua resenha conseguiu me deixar com vontade de ler e parece que dessa vez não vai ser um erro!
      Beijinhos,

      Galáxia dos Desejos

      ResponderExcluir
    3. Oie Eu gostei bastante da sua resenha porque me interesso em livros que abordam alguma problemática social de maneira relevante. Abuso é um tema forte e sinceramente, sinto que esse livro vai me destruir e me refazer ao mesmo tempo.
      Adorei sua resenha.
      Beijos.
      Fantástica Ficção

      ResponderExcluir
    4. Oi! Eu estava curiosa sobre a obra desde que vi vocês postando sobre ela no Insta. Eu li Moxie e amei e se esse segue uma linha semelhante, já quero conferir. Claro que percebo que aqui a história é muito mais forte e pesada. Bjos!! Cida
      Moonlight Books

      ResponderExcluir
    5. Oi Bibs!
      Tema necessário, adorei ler sua resenha! Essa ideia q elas tuveram de fazer o grupo anônimo na escola, muito top, quero saber do desenrolar. Anima ainda saber saber oq o livro é bem realista!
      Bjs
      http://acolecionadoradehistorias.blogspot.com

      ResponderExcluir
    6. Oiii Bibs

      É disso que a gente precisa, histórias fortes que nos ajudem a levantar voz e refletir nos nossos direitos. Absurdo só 1% dos condenados por estupro cumprirem a pena integral, isso demonstra com clareza o mundo machista que ainda vivemos. Legal que a autora soube contar a história com tanto impacto e realismo, parece ser forte sim, mas absolutamente necessária.

      Beijos, Ivy

      www.derepentenoultimolivro.com

      ResponderExcluir
    7. Oi, Bibs!
      Esse livro é super necessário na sociedade que vivemos atualmente. No momento, eu não estou num bom humor (por assim dizer) para conferir a história, mas já deixei salvo nas indicações para conferir futuramente.
      Beijos
      Balaio de Babados
      Sorteio de aniversário Balaio de Babados e O que tem na nossa estante. Participe!

      ResponderExcluir

    Deixe seu comentário, sua opinião é sempre muito bem-vinda!

    Tecnologia do Blogger.