Resenha: Frankenstein

  • 09:00
  • 1 de jul. de 2020
  • Resenha: Frankenstein

    A resenha de hoje é pra falar sobre o clássico que deu origem a centenas de ficções científicas no decorrer dos anos, desde que foi concebido. Uma das maiores obras da literatura, Frankenstein da Mary Shelley é, sem sombra de dúvidas, um marco histórico.


    Sinopse: Victor é um cientista que dedica a juventude e a saúde para descobrir como reanimar tecidos mortos e gerar vida artificialmente. O resultado de sua experiência, um monstro que o próprio Frankenstein considera uma aberração, ganha consciência, vontade, desejo, medo. Criador e criatura se enfrentam: são opostos e, de certa forma, iguais. Humanos! Eis a força descomunal de um grande texto. Quando foi a última vez que você teve a chance de entrar em contato com a narrativa original desse que é um dos romances mais influentes dos últimos dois séculos? Que tal agora, na tradução de Márcia Xavier de Brito? Além disso, esta edição conta com quatro contos sobre a Imortalidade, em que Shelley continua a explorar os perigos e percalços daqueles que se arriscam à tentação de criar vida: “Valério: O Romano Reanimado”; “Roger Dodsworth: O Inglês Reanimado”; “Transformação”; e “O Imortal Mortal”, histórias pesquisadas e traduzidas por Carlos Primati, estudioso do gênero. Frankenstein, ou o Prometeu Moderno é um dos primeiros lançamentos da coleção Medo Clássico — ao lado do volume de contos do mestre Edgar Allan Poe — no início de 2017. A qualidade do livro é impecável, para cientista maluco nenhum colocar defeito. Capa dura, novas traduções, ilustrações feitas por Pedro Franz, artista visual e autor de quadrinhos reconhecido internacionalmente. O livro é impresso em duas cores: preto e sangue. Reencontre Frankenstein de um jeito que só a primeira editora brasileira inteiramente dedicada ao terror e à fantasia poderia lançar. It’s alive!

    Victor Frankenstein é um cientista brilhante que tem dedicado sua vida e estudos a gerar vida artificialmente. Depois de tantas tentativas, o sucesso: ele dá vida a uma criatura disforme que ganha consciência e vontades e que se torna, aos olhos de Victor, uma aberração e tormenta. O embate desenvolvido pela trama acontece entre esses dois; criador e criatura, suas vontades e medos e uma perseguição para entender o real significado de estar vivo.

    Essa é a história de um homem e de um monstro; mas, parafraseando um dos meus musicais da Disney favoritos: quem é o monstro e o homem quem é?


    Resenha: Frankenstein

    O brilhantismo de Frankenstein está na simplicidade da sua trama e no quão gigantesca e descomunal ela se transforma com o passar das páginas. Mary Shelley é uma voz que continua ecoando pela literatura contemporânea, uma mente genial e questionadora que abriu portas para incontáveis escritores seguirem seus passos.

    O modo como as questões filosóficas e científicas são abordadas no decorrer da história, unido à tensão e ao terror presentes nos pensamentos de Victor e na sensação de que a criatura está sempre acompanhando seus passos, ao mesmo tempo em que foge deles, cria uma atmosfera impossível de se afastar.


    A visão da natureza impressionante e majestosa, de fato, sempre me fizera esquecer as ansiedades passageiras da vida.

    O livro é denso, com uma narrativa pesarosa e ao mesmo tempo animada. Victor é dramático e melancólico, um gênio vivendo com o peso de suas descobertas e do que elas podem significar para o mundo e para aqueles que o conhecem. Sua relação com a criatura é familiar, aterrorizada; a criatura, por outro lado, ainda que viva no mistério e nas sombras, raras vezes demonstra ser o monstro que Victor tanto clama.


    Resenha: Frankenstein

    Ela é provida de consciências e vontades e sonhos. Está tentando entender a vida e suas nuances, assustada diante da realização do que é estar vivo e continuar vivendo. Com a criatura, entendemos sobre a solidão e curiosidade. Com Victor, sobre culpa e arrependimento.


    Nada é tão doloroso à mente humana como uma mudança grande e súbita.

    É um livro que questiona e critica e apresenta situações desconfortáveis que vão significar muito com o desenvolvimento da história. É de uma complexidade capaz de te fazer pensar e pensar e nunca parar de pensar a respeito de tudo que foi abordado. Não é uma leitura fácil, também; não venha esperando perseguições e diálogos fluidos. É denso e demorado - e, na minha opinião, por isso é tão bom.


    Resenha: Frankenstein

    A edição da DarkSide é divina e minha favorita até então deles. Não só pelo acabamento, capa e diagramação impecáveis, mas pela tradução de Márcia Xavier de Brito, que transmite as sensações e o que o texto original fazia de maneira tão perfeita. Essa edição também traz alguns contos extras redigidos pela Shelley, todos a respeito das tentativas de criar vida.


    Mas é assim; o anjo caído torna-se um diabo maligno.

    Frankenstein é um "você precisa ler" se gosta e quer entender mais sobre ficção científica, e também se tem curiosidade com clássicos. É a voz de uma mulher brilhante e extraordinária e uma das maiores criações que a literatura já viu.


    Título original: Frankenstein
    Autora: Mary Shelley
    Tradutora: Márcia Xavier de Brito
    Editora: DarkSide
    Gênero: Ficção científica
    Nota: 5+

    1. Oi Denise, tudo bem?

      Meu primo ama esse livro! Tanto que depois dele insistir muito, acabei dando uma chance para história. Confesso que me surpreendi bastante, pois eu tinha um visão totalmente diferente de Frankenstein.

      Sempre achei que a obra pendia mais para o terror e acabei surpreendida por uma excelente ficção científica.

      Beijos;*
      Ariane Reis | Blog My Dear Library.

      ResponderExcluir
    2. Olá, Denise.
      Lembro quando era criança e assistia o filme, que eu nem lembro qual era só sei que era preto e branco, e morria de dó da criatura hehe. Mas li a obra uns anos atrás e não gostei muito do livro não. Mas acho essa edição a mais linda de todas hehe.

      Prefácio

      ResponderExcluir
    3. Olá Denise,
      É unanime essa opinião sobre esse livro, sempre com elogios singulares e bem característicos. Tenho muita vontade de ler e gosto de saber que não é uma leitura fácil, acho que facilita em absorver sem esperar algo diferente.

      Beijo!
      www.amorpelaspaginas.com

      ResponderExcluir

    Deixe seu comentário, sua opinião é sempre muito bem-vinda!

    Tecnologia do Blogger.