Controle remoto: Bridgerton

  • 09:00
  • 6 de jan. de 2021
  • Controle remoto: Bridgerton

    Estreou Bridgerton e estamos em surto. Como o surto foi coletivo, o post vai ser também. Se vocês estavam com saudade nos nossos surtos de fangirl por aqui, bom... 

    Aviso: aqui não vai ter nenhum spoiler grandioso, mas alguns comentários podem ter relação a acontecimentos inéditos nos livros, então leiam por sua conta e risco.

    Não é segredo pra ninguém que eu, Raquel, sou cadelinha de Bridgerton e da Julia Quinn. Temos a resenha até o quinto livro aqui no blog e o restante sai em breve. Também já teve post de comentários sobre o elenco por aqui.

    Meus comentários estarão em azul, os da Nizz em vermelho.

    A série estreou no dia 25 no Netflix, produzido por ninguém menos do que Shonda Rimes. A primeira temporada gira ao redor do romance da Daphne e do Simon que é o casal principal do livro O Duque e Eu. Para quem não sabe, o livro é um romance de época e se passa em 1813, mas não se enganem achando que vai ser algo fofinho e água com açúcar só. Inclusive, não recomendo que assistam perto dos pais - a classificação é 16 anos, então tem cenas mais quentes. 

    A série segue o padrão da Netflix de poucos episódios, são 8 no total e dá pra maratonar numa tacada só. 

    Daphne, interpretada por Phoebe Dynevor, está debutando pela primeira vez na alta sociedade de Londres. A família Bridgerton é uma família extremamente importante na sociedade e ela se sente responsável em fazer de sua temporada a primeira e última. Afinal, ela foi preparada a vida toda pra ser uma esposa e é ela que vai ser o exemplo para as irmãs que irão debutar nos próximos anos.

    Phoebe encaixou muito bem no papel, todo o elenco, na verdade. Com exceção de um que já comento abaixo. O figurino de todos está impecável e toda a fotografia da série é muito agradável de ver, ficou tudo muito bonito. Sou meio suspeita porque amo novelas e séries de época, muito pelo figurino e toda a temática.

    Inclusive eu preciso tirar um instante pra exaltar de novo O FIGURINO DAQUELA SÉRIE. Se todos os romances de época adaptados tivessem aquela miscelânea de cores e tecidos e estampas minha vida seria muito mais alegre! Os vestidos da Pen - apesar de ela odiar - eu APAIXONEI!



    Quando saiu a primeira foto do elenco, não botei muita fé no Jonathan Bailey, mas uma fuçada no instagram dele já mudou a minha opinião. Sinceramente, não vejo ninguém melhor por papel e ele tem aquela cara que dá vontade de socar e botar no colo pra fazer cafuné ao mesmo tempo. Bem Anthony Bridgerton.

    Eu comecei a série querendo quebrar o nariz do Anthony no soco e terminei berrando MEU BEBÊ PRECIOSO E SAFADO QUE PRECISA LEVAR UNS TABEFES EU VOU LER SEU LIVRO AGORA MESMO!!!!


    O personagem dele é um Libertino, sim, com L maiúsculo mesmo. Mas ao mesmo tempo ele é o primeiro filho, o visconde e quem leva a responsabilidade de cuidar da família e, principalmente, das mulheres da família. Não que a Violet precise disso, o que fica bem claro ao longo da série. Ele tem uma reputação a zelar e por mais que eu tenha entendido a intenção da primeira cena dele na série, pra mim foi completamente desnecessário. Ele não faria aquilo na frente de um funcionário. Não vou entrar em detalhes aqui, quem já viu sabe do que eu to falando.

    Já o ator que interpreta o Benedict, Luke Thompson, tem todo o meu amor e devoção. Já está avisado aqui que podem elogiar, ele é maravilhoso mesmo, mas tirem o olho que eu vi primeiro rs. Benedict tem todos os privilégios de ser um Bridgerton, mas sem a responsabilidade que o Anthony carrega, então ele é mais livre do que o irmão. Eu AMEI que ele tem uma carinha de sonso - mas só a cara mesmo. Além, claro, do pânico bissexual que eu rolei de rir e espero que explorem esse lado dele porque vou adorar ver isso em uma série de época.

    Dá licença aqui pra eu fazer um adendo de que se você está reclamando sobre terem abordado a possibilidade dele ser bissexual na série, você está sendo ESCROTO! O Benedict ser bissexual não muda em ABSOLUTAMENTE NADA o canon do ship dele lá pra frente; pessoas bissexuais GOSTAM DOS DOIS GÊNEROS, então ele pode se apaixonar por um cara, terminar o relacionamento e seguir em frente com a personagem que veio dos livros. Não tem ninguém reclamando da Siena, mas do Benedict bissexual AIMEUDEUSNÃOPODE. Me erra.


    Agora chega a parte que fiquei um pouco decepcionada. Meu personagem favorito nos livros é o Colin, embora o livro dele tenha me decepcionado. O ator, Luke Newton, tem aquela carinha de neném fofo e não me incomodou esse fato no início, embora na minha imaginação ele tinha muito mais a cara do Luke Thompson. Mas na série ele parece tão inocente, até certo ponto, e até um pouco bobo. Nos livros nada daquilo teria acontecido porque não é do feitio do Colin ser daquele jeito. Já aproveito pra pontuar que, tirando algumas cenas - destaque para a cena com a Eloise perguntando como são feitos os bebês que é MARAVILHOSAAAA - , senti falta do tom brincalhão de todos eles com as irmãs. 

    Sobre o Colin eu realmente caguei e andei porque achei a cara do ator muito pamonha KKKKKKKK mas ele e a Pen MEU DEUS QUE COISA MAIS FOFINHA ASJKBASUOGU a cena do baile passei mal de tanto amor no coração pelos dois!

    Com exceção do Anthony que é extremamente sério e protetor no começo, Simon que o diga, coitado. O Benedict e o Colin são extremamente engraçados e brincalhões com as irmãs. Inclusive no livro temos várias passagens que comentam como eles eram arteiros quando criança e quanto a Daphne sofreu na mão de três meninos mais velhos. Não é a toa que ela sabe bem se defender sozinha.

    Eloise Bridgerton também é dona de várias cenas maravilhosas. Ela e Daphne são muito diferentes e isso fica muito claro na série logo de início. Eloise é curiosa, não tem a mínima vontade de ser uma esposa como Daphne, gostaria de estudar, entre outras coisas que não são permitidas para uma mulher da época. No livro ela não tem um tom tão enfático quanto da série, embora fique bem claro que ela não concorda com muitas coisas impostas a mulheres.

    A Eloise poderia me socar e eu agradeceria, de tanto que amei ela. Os discursos soaram um pouco Quebrando o Tabu demais? Soaram. Faltou uma polidinha do roteiro toda vez que ela ia bater de frente com as questões sexistas da sociedade e tal, mas entendo o apelo e achei maravilhoso darem voz a isso - tanto ela quanto com a Daphne, com a Marina, etc.

    Já a Violet é a mãe perfeita e no início ela já começa a tramar pra cima da Daphne e pouco depois, pro Anthony e ela mostra muito bem seus dons de cupido que nos livros é bem engraçado. Nos livros, ela parece ler os filhos de uma forma impressionante que só as mães conseguem. Na série não mostrou ainda tanto esse lado dela, mas já tem alguns indicios.

    Os caçulas Hyacinth e Gregory se mostram os dois pestinhas que são e vemos a implicância de irmãos clássica aqui, que é bem divertida. Já Francesca aparece bem pouco e eu espero que isso seja reparado na série, porque nos livros ela já não tem muito espaço e eu queria muito ver mais dela.

    Falando um pouco da família Featherinton, Penelope RAINHA interpretada pela Nicola RAINHA Coughlan. Ela e Eloise são muito amigas, mas diferente da amiga ela é toda romântica e quer sim um casamento de conto de fadas. Porém ela fica sempre de escanteio perto das irmãs, Prudence e Philippa, que na série não são tão tapadas igual nos livros e, sim, eu senti falta. Na série mostra várias cenas em que Penelope parece ser a única sensata da família, mas não ficou tão evidente quanto nos livros. Mas uma coisa segue igual: eu detesto da Lady Featherinton. A atriz, Polly Walker, desempenha o papel brilhantemente! Não consigo imaginar ninguém melhor agora e ela é o retrato da Portia na minha cabeça, sem tirar nem por.

    O mundo é da Penelope, a gente só habita ele. Eu adorei a dinâmica dela com a Eloise, e o desenvolvimento maravilhoso dela sozinha. Tanto nos momentos frágeis quanto nos momentos em que estava colocando as garrinhas pra fora pra bater de frente com os interesses dela - e dos outros, porque as SITUAÇÕES (se assistiu, você sabe) são empáticas da parte dela. Egoístas também, mas empáticas.

    Comentário que também serve para Lady Danbury, fada sensata, nunca errou. Engraçada na medida certa e sempre tramando algo sem ninguém saber. Ela com a Violet é sensacional e eu quero mais dessa dupla nas próximas temporadas, porque achei maravilhosa a química de cúmplice das duas em cena.


    A Lady Dunbury é o tipo de personagem que eu queria poder sentar e tomar um chá enquanto a gente conversa de tão brilhantemente construída e desenvolvida nas cenas. Ô mulher poderosa!

    E aqui vale um adendo pra comentar sobre o cast de atores de cor que a série fez tão maravilhosamente bem. Não rolou um apagamento das raças, quando se ignora preconceito e racismo a fim de colocar diversidade na história, mas sim HISTÓRIA mesmo. Estudos indicam que a Rainha Sofia Carlota tenha ascendência africana (o apagamento de pessoas negras na História é grandioso, e vale a pena pesquisar mais para entender que eles estavam ali, participavam, e é extremamente importante que a série tenha dado vida e trazido isso a tona).

    Por fim, mas não menos importante: o Simon, senhoras e senhores. O que é aquele homem com a Daphne! Se você não shippou os dois, assiste de novo porque você viu errado. Os olhares que os dois trocam, os sorrisos AAAAAAA Não sei se vocês conseguiram se conter, porque eu dava gritinhos de entusiasmo durante a série e não sei como ninguém daqui de casa acordou. Na verdade não sei nem como eu tô conseguindo dormir depois de ver essa série porque EU PRECISO DE MAIS. Inclusive acho que vou ler tudo de novo.



    Algumas coisas foram mudadas na série, já comentei por aqui, mas uma cena em particular me deixou indignada. Eu ainda não acredito que mantiveram aquela cena sendo que podia ter sido reescrito, muito absurdo!

    Cara, é bem ridículo, com o tanto de mudanças e adaptações, que tenham mantido. Aqui vou puxar um parênteses de SPOILER, então pula pros próximos comentários se quiser escapar: tem um estupro no livro e, na série, apesar de terem amenizado a situação (tiraram a bebedeira e o fato de a personagem prender o outro personagem à cama) ainda é um estupro. Ainda é desconfortável. Eu jurava que iam mudar pela polêmica em cima dessa situação, mas está ali. Menos absurda porque, na situação, o personagem poderia ter "escapado" do ato em si, não tinha nada como alcoolismo ou força física mantendo ele preso à cama, mas ainda é abuso porque não foi consentido.

    Assim como também é errado da parte dele as mentiras e a manipulação pra cima da personagem. Enfim, os dois errados, um mais que o outro, e eu queria muito que a série tivesse mudado isso. TINHA DEZENAS DE OUTRAS MANEIRAS DE RESOLVER E CRIAR O DRAMA!


    Já temos alguns spoilers dos próximos livros, que quem leu sabe já quem é quem. Eu gostei, de certa forma, porque dá uma amarração na história e os personagens não surgem do nada. Mas não gostei de já terem entregado de bandeja a identidade da Lady Whistledown logo na primeira temporada sendo que eu demorei 4 livros pra descobrir e já achei cedo! Me senti enganada, o próprio emoji do palhaço.

    Mais um refresco para quem leu os livros: as abelhinhas. Sei que o fandom pirou com o fan service, não adianta nem passar pano porque é fan service sim. Mas eu amei, como uma bela abelhinha. Aguardo quem ainda não sabe no momento que ver a cena protagonizada pela abelhinha maravilhosa. Podem vir surtar comigo porque vou amar dividir o surto com alguém!

    Fui catar spoiler da abelha com a Raquel porque fiquei genuinamente curiosa do porque ela estava ali KKKKKKKKKKKKKK

    De forma geral, só quero a segunda temporada na minha mesa! Netflix, renova isso logo e para de graça, três dias já é o suficiente pra renovar rs.

    1. Oii, estou muito ansiosa para assistir a série, mas eu promete terminar os restante dos livros rs
      Beijos!
      https://deliriosdeumaliteraria.blogspot.com/?m=1

      ResponderExcluir
    2. Oi Meninas,

      Eu particularmente adorei demais a série!
      E acredito que pelo sucesso que está fazendo com certeza será renovada.
      Agora é esperar e torcer para vir logo para que possamos ver aquele lindo Anthony nas telinhas.

      Bjs e uma boa semana!
      Diário dos Livros
      Conheça o Instagram

      ResponderExcluir
    3. Oi meninas, eu amei demais a série, em alguns momentos eu achei que a atriz que fez a Daphne estava grávida, efeito dos vestidos kkkkkkkkkk Eu já espero ansiosamente a segunda temporada!

      Bjs, Mi

      O que tem na nossa estante

      ResponderExcluir
    4. Oi meninas, tudo bem?
      Apesar de não ter lido, estava ansiosíssima e não me decepcionei. ♥ Já torço pra que a Netflix aproveite esse sucesso todo e adapte mais livros de romance de época. Seria incrível ver as obras da Lisa Kleypas, por exemplo ♥
      Beijos,

      Priih
      Infinitas Vidas

      ResponderExcluir
      Respostas
      1. P.S.: ai gente, me perdoem, mas achei a Penelope meio egoísta. Me irritei com ela hahaha :(

        Excluir
    5. Olá, meninas.
      Eu amei a adaptação, gostei até ais do que do livro hehe. Achei que as mudanças e as tramas paralelas deixaram a história mais dinâmica. Agora o Colin foi o único que ficou apagado já que nos livros ele brilhava e muito hehe.

      Prefácio

      ResponderExcluir
    6. Oiee
      Eu ameeei a série!
      Faz tempo que li o livro e acho que isso me ajudou na hora de avaliar, embora tenha sentido falta de algumas coisas. Mas não ao ponto de estragar a série para mim. Eu adorei e já quero mais!
      Beijos

      Quanto Mais Livros Melhor

      ResponderExcluir

    Deixe seu comentário, sua opinião é sempre muito bem-vinda!

    Tecnologia do Blogger.