Resenha: Scarlet


Óbvio que depois da leitura arrebatadora que foi Cinder, eu pulei correndo do sofá e fui buscar Scarlet lá na prateleira. Graças aos céus que havia comprado o segundo volume enquanto lia o primeiro - não que o cliffhanger seja muito desesperador, mas a história é tão boa, a narrativa é tão incrível e os personagens são tão indescritíveis que eu só queria mais e mais e mais. A resenha vai conter alguns spoilers de Cinder, então leia por sua conta e risco!

Sinopse: Depois de Cinder, estreia de sucesso de Marissa Meyer e primeiro volume da série As Crônicas Lunares, que chegou ao concorrido ranking dos mais vendidos do The New York Times, a autora está de volta com mais um conto de fadas futurista. Scarlet, segundo livro da saga, é inspirado em Chapeuzinho Vermelho e mostra o encontro da heroína ciborgue que dá nome ao romance anterior com uma jovem ruiva que está em busca da avó desaparecida. Em uma trama recheada de ação e aventura, com um toque de sensualidade e ficção científica, Marissa Meyer prende a atenção dos leitores e os deixa ansiosos pelos próximos volumes da série. 
Cinder está presa, agora que sua real identidade foi revelada. Prestes a ser encaminhada para a corte lunar, uma vez que a rainha e o Imperador Kai fizeram um acordo - Cinder vive, contanto que seja levada até a lua. Quando lhe é estendida a oportunidade de fuga, a ciborgue não pensa duas vezes. Junto a outro prisioneiro, um ex-militar rebelde com um senso de humor absurdo, Cinder se torna uma foragida, construindo todo um caos em cima do desaparecimento; a rainha Levana quer a garota de volta ou declarará guerra contra a Terra. Do outro lado da história, somos apresentados a Scarlet; a garota do casaco vermelho mora com a avó em uma fazenda, mas a avó desapareceu há algumas semanas e os policiais estão dando o caso de busca como encerrado. Teimosa e determinada, Scarlet quer encontrá-la, e um lutador de rua misterioso chamado Lobo parece seu melhor guia para que isso aconteça.

Em meio a intrigas políticas, fugas mirabolantes e o levante de uma guerra, Marissa Meyer nos entrega mais uma obra de tirar o fôlego do começo ao fim. A narrativa, antes sentenciada à Nova Pequim graças ao cotidiano de Cinder se expande descomunalmente. Temos Scarlet na França e a ciborgue e o capitão em uma nave espacial, se escondendo daqueles que querem capturá-los. A história deles se entrelaça lentamente conforme descobrimos ligações sutis que já foram apresentadas no primeiro volume da série; o nome de uma personagem, o parentesco de outra, o que determinada pessoa fez por Cinder em seu passado misterioso.



Duas semanas. Duas semanas inteiras em que a avó estava por aí. Sozinha. Indefesa. Esquecida. Talvez... Talvez até morta. Talvez sequestrada e morta e deixada em alguma vala escura e úmida em algum lugar. E por quê? Por quê por quê por quê?
Scarlet é um show de personagem. Diferente de Cinder, a sua coragem e determinação vêm do ímpeto teimoso que existe nela. Scarlet tem o tipo de personalidade que grita com dezenas de homens dentro de um bar. Ela é a chapeuzinho vermelho, mas não está nem um pouco perdida na floresta, tampouco indefesa em sua inocência. As únicas semelhanças com o conto original são a vovó e o seu capuz vermelho. A vovó que, aliás, é tão badass quanto a neta. E uma personagem bastante importante na trama central da série de livros.



Ele balançou a cabeça de uma estranha maneira, como um cão, o cabelo voando, depois se agachou com as mãos enormes ao lado do corpo e olhou para Caçador com aquele sorriso peculiar. Scarlet apertou os dedos no zíper do moletom, se perguntando se esse tique tinha dado origem ao apelido de Lobo.
Lobo é o lutador de rua sombrio e quieto que cruza o caminho de Scarlet. Ele tem informações que podem ajudá-la a encontrar a avó. Existe qualquer coisa sutil entre eles, algo no olhar ferido do rapaz que levam Scarlet a confiar nele. Lobo é um personagem muito quebrado. Ele tem a aparência feroz e leva o nome porque sim, ele é a nova versão do lobo mau, mas de mau ele tem absolutamente nada. É um filhote caído da mudança, isso sim. Tão solitário, sem saber nada do mundo, sofrido pela infância abusiva. O seu passado é de vital importância para explicar um ponto chave do livro e dos próximos que virão, e quando você descobre isso quer abraçá-lo ainda mais.

Ela já desejava a solidão da fazenda de novo. Era a única realidade que conhecia. A fazenda e a avó e as entregas semanais. E agora, Lobo. Essa era a realidade que queria.
Scarlet é a alfa da relação, que fique bem claro. Eu adoro como o Lobo abaixa a cabeça diante de tudo o que ela fala e comanda, e não pensa duas vezes antes de obedecer a garota ruiva. A ligação entre eles é uma faísca que se torna uma explosão e você só quer que eles se beijem e se amem enquanto ainda podem, porque o clima na história começa a ficar mais e mais tenso conforme se aproximam de onde está a avó dela.

Tudo que Cinder sempre quis foi liberdade. Liberdade da madrasta e de suas regras dominadoras. Liberdade de uma vida de trabalho constante sem nenhum reconhecimento. Liberdade dos olhares de desprezo e palavras de ódio de estranhos que não confiavam na garota ciborgue. Agora, conquistara a liberdade, mas não era nem um pouco como tinha imaginado.
Cinder está em uma nova jornada agora. A ideia da liberdade com a qual ela tanto sonhou se torna uma lenda em sua mente, porque ela precisa sobreviver. A rainha Levana a está caçando e todos a querem de volta à prisão. Cinder não é uma criminosa, mas se esconde como se fosse, jamais cogitando a hipótese de realmente assumir a verdadeira identidade. Esse medo é bem forte e move muito a personagem em suas decisões, e é incrível como ela continua a mesma, ainda que esteja mudando conforme se afeiçoa às descobertas.

Tentando se equilibrar, ela ficou de pé e limpou o macacão. 
- Com licença - disse Thorne. - Parece que você caiu na cela errada. Precisa de ajuda para voltar para a sua?

Ao lado dela, está o meu personagem favorito. Capitão Thorne - sim, tem que ter o capitão - é um fugitivo da República da América. Ele desertou do exército e foi capturado e feito prisioneiro por meses em Nova Pequim, até que Cinder caiu do seu teto e ofereceu uma chance de escape. Sem fazer ideia de quem ela realmente é, Thorne oferece a sua nave e seus serviços para ajudar seus pescoços a saírem dali com vida. Ele é apenas a melhor pessoa. O humor, os trejeitos, o sorriso torto e aqueles comentários perspicazes que existem pra cutucar as pessoas próximas dele, eu amo cada cena com o Thorne. Amo tanto que fico sem palavras para expressar! Thorne é o Han Solo. Ele tem um senso de honra com a nave dele e com ele mesmo e, com o tempo, para com a Cinder também. A missão de escape se torna uma missão de proteção e então de salvamento e de repente ele está dentro de uma intriga política sem nem saber porque diabos foi parar ali. No próximo volume da série, Thorne vai encontrar o seu ship e eu já tive alguns vislumbres de quem ela é - inclusive, vocês também terão, porque ela aparece no primeiro livro - e eu estou rolando no chão em antecipação pela fofura que vai ser!



O uivo do homem foi repetido por outro e mais outro, meia dúzia de gritos sendo repetidos em todas as direções para receber a lua que surgia no céu.
Além do quarteto, Kai tem seus belos capítulos de destaque. Ele está mais sombrio e solitário agora que é imperador, e mais desesperado pelas responsabilidades impostas a ele. Kai ainda é um garoto perdido em seu governo, sem saber como seguir os passos tão bem calculados do pai, mas tem apoio do conselheiro e o amor do seu povo, e toma todas as decisões, mesmo as mais arriscadas, depois de pesar o que será melhor para aquele mundo. Ele é tão herói, tão bebê, tão cheio de honra! Tem tanta honra que toma um caminho perigoso no fim do livro, mas o mais certo para garantir a paz na Terra. MALDITO SEJA VOCÊ, FILHOTE DE STARK!



- Eu gostei de tudo que você me deu. Apesar de não ter merecido nada daquilo.
Scarlet apresenta respostas a segredos bem guardados, entrega ao leitor novas teorias de conspiração e dá o ar do que a guerra guarda para a Terra e a Lua e para as pessoas em ambos os mundos. Constrói ships poderosos e personagens inesquecíveis, e te faz correr até a prateleira para pegar o terceiro volume da série, porque As Crônicas Lunares é uma das melhores coisas que vai existir na sua vida!


Título original: Scarlet
Autora: Marissa Meyer
Editora: Rocco
Gênero: Contos de fada / Sci-fi
Nota: 5

Saiba Mais: Skoob
Compre em: Buscapé | Americanas | Saraiva | Submarino

Share this:

, , , , ,

COMENTÁRIOS

4 comentários:

  1. Olá, Denise.
    O que dizer? Você me convenceu! Lerei essa série, sem dúvidas. A protagonista parece ser incrível e eu gostei bastante da premissa da obra.
    Lerei, sem dúvidas.

    Desbrava(dores) de livros - Participe do top comentarista de janeiro. Serão dois vencedores!

    ResponderExcluir
  2. Ah Denise.

    Essas suas resenhas são a minha morte.
    Não estou conseguindo ler muito, pois estou lendo os livros da faculdade (chora) Quero tanto ler essa série ;-;

    Já disse que amei a resenha? xD

    Beijos,


    Surtando com palavras

    ResponderExcluir
  3. Oii Denise, tudo bom?
    E que resenha foi essa, menina? Amei! Principalmente porque AMO a saga das Crônicas Lunares, sou apaixonada por todos os personagens. É provavelmente a única distopia que ponho a mão no fofo, haha.
    Falou todo sobre o Lobo, sério, as vezes tinha até um pouco de pena dele pela forma como a Scarlet o tratava, mas não tem como não se apaixonar por esse lobo mal que não tem nada de mal.
    E o Capitão Thorne! Um dos melhores personagens, e realmente muito apaixonante. E se você achou Scarlet tudo isso, só consigo imaginar o que vai falar sobre Cress, haha. Espero ver resenhna, viu?
    http://estantedeumafangirl.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  4. Oi Denise,
    Que resenha maravilhosa, só me deu mais vontade de ler o primeiro e essa maneira que a autora insere os personagens dos contos é incrível.
    Essa vovó desse ser demais, o Lobo me parece um personagem interessante daqueles misteriosos. Adorei.
    E to morrendo de rir com esse gif do Richard de Galavant, adoro ele HAHAHAHAHA

    tenha uma ótima quinta. =D
    Nana - Obsession Valley

    ResponderExcluir

Deixe seu comentário, sua opinião é sempre muito bem-vinda!