Resenha: Cress


O que dizer deste livro que logo no primeiro capítulo já se tornou o meu favorito da série? A resenha de hoje vai falar sobre o terceiro volume da série Crônicas Lunares. Vou tentar conter os spoilers dos outros dois volumes, então só citarei coisas que não são grandes revelações neles.
Sinopse: Neste terceiro livro da série Crônicas Lunares, Cinder e o capitão Thorne estão foragidos e agora levam Scarlet e Lobo a reboque. Juntos, eles planejam derrubar a rainha Levana e seu exército. Cress talvez possa ajudá-los. A garota vive aprisionada em um satélite desde a infância, com a companhia apenas de telas, o que fez dela uma excelente hacker. Coincidência ou não, infelizmente ela também acabou de receber ordens de Levana para rastrear Cinder e seu bonito cúmplice. Quando um ousado plano de resgatar Cress dá errado, o grupo se separa. Cress enfim conquista a liberdade, mas o preço a se pagar é alto. Enquanto isso, Levana não vai deixar que nada impeça seu casamento com o imperador Kai. Cress, Scarlet e Cinder talvez não tenham a intenção de salvar o mundo, mas muito possivelmente são a última esperança do planeta.
Cress segue Cinder, Scarlet, Lobo e Thorne em sua jornada para destronar a rainha lunar maléfica e colocar a Terra e Luna definitivamente em paz. Eles precisam impedir o casamento real. Nem tudo são flores, claro, e eles ainda são procurados por ambos os mundos. Quando uma garota presa em um satélite lhes oferece ajuda, uma oportunidade para mudar o jogo, eles decidem que se arriscar é a melhor alternativa; quando tudo sai errado e o grupo se separa, eles percebem que essa guerra entre os tronos não é tão simples quanto parece.
Sempre voltava ao amor. Mais do que liberdade, mais do que aceitação... Amor. Amor verdadeiro, como cantavam na segunda era. Do tipo que enchia a alma. O tipo que permitia gestos dramáticos e sacrifícios. O tipo irresistível e envolvente.
A garota sentenciada ao satélite é a dona do título do livro. Não é a protagonista, até porque não existe realmente uma única protagonista aqui, mas várias delas. Suas cenas convergem junto a dos personagens conhecidos, intrincando ainda mais a história com grandes revelações e plot twists poderosos. Cress está presa naquela estação há sete anos; sete anos de solidão, exceto pelas vezes em que sua mestra a visita. Sete anos de pesquisa e aperfeiçoamento em suas habilidades tecnológicas. Cress é uma hacker extremamente habilidosa, é uma donzela indefesa e é dona de longos cabelos dourados e uma voz encantadora. Quando Cinder e seu grupo atracam no satélite para tirá-la dali, algumas coisas dão errado e eles são forçados a se separar; Cress e Thorne caem na Terra, em meio ao deserto do Saara. Juntos, eles precisam descobrir um jeito de sair dali com vida e contatar a nave de Cinder para avisar que estão vivos e bem, obrigada.
Ela tentou engolir o pânico que surgia, a sensação de que sua existência era tão pequena e tão importante quanto a do menor grão de poeira que batia em suas canelas. Havia um mundo inteiro, um planeta inteiro. E ela estava presa no meio dele, longe de tudo. Não havia paredes, nem limites, nada atrás do que se esconder.
Cress e Thorne. Ah.

- Capitão? 
- O que? 
- Você acha que foi o destino que nos uniu? 
- Não. Tenho certeza de que foi a Cinder.
O contraste das personalidades foi o que me causou grandes convulsões. Thorne continua aquele capitão prepotente com um ego do tamanho do mundo, e com um humor exagerado cheio de sarcasmo. Ele continua absolutamente Han Solo. Uma vez que estamos falando na recontagem de Rapunzel, em determinado momento da trama, acontece a Thorne exatamente o que acontece ao príncipe no conto original. A forma com que ele lida com essa situação é um pouco heartbreaking, porque ele é tão forte e cheio de si e de repente encontra um obstáculo tão intransponível quanto isso. Por Cress estar sempre ao lado dele, ajudando-o a superar, e por ele ser determinado e teimoso, não se torna um impedimento, tampouco uma deficiência. Ele aprende a viver com isso, certo de que há uma maneira de reverter.


Cress se sentia um pássaro cujas asas foram cortadas e que foi jogado em uma gaiola, mais uma gaiola, nojenta e podre. Ela viveu em uma gaiola a vida toda. De alguma forma, nunca esperou encontrar uma horrível assim na Terra.
Cress, por outro lado, é uma menina ingênua perdida em seus próprios pensamentos. Tantos anos sentenciada àquela prisão criaram em Cress sonhos vivos e desejos inocentes; ela nunca foi à Terra, mas sabe tudo sobre ela. Ela nunca sentiu o chão debaixo dos seus pés ou viu uma árvore, mas conhece seus nomes e os vivenciou através de imagens computadorizadas. Uma vez livre do satélite, Cress confronta um mundo de possibilidades e de grandes medos também. Ela cria fantasias para lidar com as situações horrendas, mas seu coração é puro e sua mente é medrosa. Eu amei tanto cada traço da personalidade dela e o modo como a Marissa foi destrancando e trabalhando eles. Cress é definitivamente uma donzela indefesa, mas não do tipo que precisa de um príncipe para salvá-la, ainda que ela acredite ser a melhor ideia do mundo. Thorne não é nem um pouco príncipe, tampouco um herói, mas é quem Cress precisa para se descobrir. Deus do céu, eles são tão perfeitos um para o outro! A maneira educada e delicada e engraçada com que o Thorne lida com a Cress, e o fato de ela ser apaixonada por ele desde que pesquisou sobre a sua vida, encontrando fatos que nem mesmo Thorne se lembrava de terem acontecido. O amor de Cress ascende conforme os dois sobrevivem juntos, se tornando algo poderoso e vívido, e Thorne começa a ter sentimentos por ela. Não tão abertamente, afinal, ele é Carswell Thorne. Mas estão lá e você consegue sentir!
Ela tremeu. Estava tão perto dele, depois de estar a uma galáxia de distância.
Longe deles, de volta à nave e a à certeza de que tudo está dando errado, mas ela precisa seguir em frente, Cinder confronta suas decisões e o peso delas. Com Scarlet longe e Lobo descontrolado e incapacitado momentaneamente, a ciborgue é guiada por sua determinação. Cinder sabe que precisa dar um fim ao reinado tirano de Levana, e só pode fazer isso se aceitar os medos e as consequências. Ela tem um plano, um plano quase suicida, mas é a única maneira de impedir o casamento real de acontecer. Se Kai e Levana se casarem, não haverá volta nem maneira de destroná-la. Também há um pouquinho de motivação emocional ali, ainda que Cinder tente negar. A ideia de Kai se casar com a rainha tirana coloca em risco a vida do imperador, e Cinder fará de tudo para protegê-lo da lunar. A força da Cinder está em embate com os seus medos. Ela sabe que tem o poder, mas recua na hora de usá-lo. A ideia de se tornar Levana assombra seus pensamentos conforme se aprofunda nos aprendizados de controle mental, e algumas decisões a levam pensar que, talvez, o poder não seja tão inocente. Que talvez Levana o use porque se acostumou a ele, que talvez isso aconteça com a própria Cinder.


- Vossa Majestade. O dom lunar tem limitações. Se Linh Cinder estivesse forçando esses sentimentos, você não os estaria sentindo mais.
Kai está longe, cercado pelos preparativos para o casamento e pelo receio. Ele tomou a decisão certa, mas até onde vai a certeza dela? Frustração e temor acompanham o imperador, principalmente pelo fato de Luna não ser exatamente um lugar tão pacífico. Está claro que, uma vez coroada imperatriz, o reinado cruel de Levana se estenderá pela Terra, mas para parar a guerra imediata, o casamento parece a única opção sensata para Kai. Esse embate de o que é certo o que é honrado e o que eu quero é tão forte nele, tão perturbador. O Kai ainda é um garoto, um menino reinando sobre toda uma nação e talvez sobre todo um mundo, uma vez que suas ideais atingem todos os reinos. Mas ele é esperto e firme e é filho de seu pai. RELAXA, NENÉM, A CINDER TÁ INDO TE RESGATAR!


Lobo passa uma boa parte do livro perturbado demais para ter grandes momentos, e é por isso que todo momento dele é grandioso. Esse é o personagem que foi lobotomizado e dominado durante quase toda uma vida, e que escolheu lutar contra a opressão que o transformou em um monstro. Ele é tão quebrado, estilhaçado em pedaços de dor, e com Scarlet longe, Scarlet, o único motivo pelo qual ele vem lutando, Lobo se vê em um beco sem saída. Sua mente não é tão forte quando o seu coração é levado embora.
- Essa Scarlet... Você está apaixonado por ela, não está? 
- Ela é minha alfa.
Scarlet está presa. As consequências que essa prisão trarão a ela no último volume da série serão horrendas. Ela é tão poderosa, tão incrível, eu sei que não preciso me preocupar, mas o faço mesmo assim. Ela é badass, uma guerreira impiedosa, mas, debaixo do poder dos lunares, não passa de uma marionete. E santos amados, como eu quero que alguém chegue em Luna e atire com uma blaster na cabeça do pirralho responsável por inferná-la! Ou que a própria Scarlet faça isso. MALDITOS LUNARES!
- Só tive dois amigos na vida. Mas uma de minhas amigas virou cinzas quando éramos bem pequenas. Uma pilha de cinzas em formato de garota. O outro desapareceu... e não sei se vai voltar algum dia.
Nem todos são ruins, claro. Temos um vislumbre da próxima personagem importante; Winter, a princesa de Luna, aparece na narrativa de Scarlet em determinado ponto da trama. O modo como a Marissa a apresenta já revela uma grande e surpreendente surpresa a respeito da princesa. Eu estou muito ansiosa para ver como esse detalhe vai se desenvolver no quarto livro! Longe de Winter, mas leal e apaixonado por ela, está Jacin, um soldado lunar. Ele aparece de supetão na história de Cinder, querendo ajudá-la, e há muito mais sobre ele e sobre Winter que minhas teorias supõe. PRECISO LER O ÚLTIMO VOLUME LOGO!



Além dos protagonistas, personagens como Levana, o conselheiro Torin e o dr. Erland têm cenas grandiosas. O dr. Erland, inclusive, é responsável por uma das grandes revelações da história - ainda que você consiga ligar os pontos no segundo livro. Eu já sabia o que ele ia contar antes mesmo dele decidir contar. 
- É assim. Ter seu corpo usado contra você. Saber que seu cérebro se tornou um traidor. Nós viemos para a Terra a fim de fugir disso, mas estamos todos perdidos de Levana conseguir o que ela quer. Eu não sei se essa moça pode impedi-la, mas parece que é a única em quem vale a pena botar fé agora.
Levana, aquela vaca, está mais poderosa e maníaca do que nunca. Ela é incrível em toda a sua malevolência, o tipo de personagem que eu gostaria de bater a cabeça na parede. Toda vez que ela ganha alguma discussão, sai por cima de alguma situação, consegue o que quer, meu senhor, como eu a odeio.


E o Torin é um personagem precioso demais para este mundo, puro demais.
Ele era Carswell Thorne que deu a ela força no deserto. Que foi atrás dela quando ela foi sequestrada. Que a beijou quando a esperança foi perdida e a morte era iminente.
A narrativa frenética e a promessa de um final arrebatador consagram Cress como o meu livro favorito, e certamente uma das melhores leituras deste ano. Marissa Meyer é genial, sua maneira de recontar os contos de fada é única, e é o tipo de autora que poderia escrever sobre o ciclo da água sem tornar nada disso enfadonho. Estou me preparando para ler Winter em inglês mesmo, até porque a Rocco não lançou o volume final da série por aqui. Se eu sobreviver, espero trazer surtos e muitos finais felizes aqui para vocês!

Título: Cress
Autora: Marissa Meyer
Editora: Rocco
Gênero: Ficção científica / romance
Nota: 5 + 

Saiba mais: Skoob | Buscapé | Saraiva | Submarino | Americanas

Share this:

, , , , ,

COMENTÁRIOS

1 comentários:

  1. QUE RESENHA MARAVILHOSA!!!!

    Cara, preciso ler essa série, ASAP!!!!

    ~grita~

    Enquanto isso, vou me contentar em ler resenhas :( :( :(

    :)

    Beijos,

    Surtando com palavras

    ResponderExcluir

Deixe seu comentário, sua opinião é sempre muito bem-vinda!