Resenha: Sociedade da Rosa


Em Jovens de Elite, conhecemos o mundo daqueles marcados pela doença de sangue, amaldiçoados com poderes, caçados por um governo tirano. Em Sociedade da Rosa, vivenciaremos o início de uma rebelião, com jogos políticos e uma trama de vingança poderosa.

Sinopse: Sociedade da Rosa é o segundo volume da saga de fantasia medieval Jovens de Elite e mostra a jovem Adelina Amouteru com sede de vingança. Depois de ser renegada pela família, ela é traída por aqueles em quem confiou, e parte em busca de outros malfettos — sobreviventes da febre do sangue que, como ela, possuem dons fantásticos —, para formar um exército próprio e combater a Inquisição do Eixo. Mas o ódio e o medo que a alimentam podem levá-la por caminhos perigosos, e uma oferta tentadora vai testar a verdadeira natureza dos seus poderes e de sua personalidade. Uma sequência de tirar o fôlego para uma saga épica.

Adelina foi traída por aqueles em quem tinha confiado. O príncipe está morto e ela está no além mar, fugindo de tudo que conhece. Acompanhada da irmã Violetta, Adelina decide que não vai deixar seu passado para trás; ela vai vingá-lo. Os Punhais a traíram, então ela criará a sua própria sociedade. Ela elegerá os melhores Jovens de Elite e os terá ao seu lado para uma empreitada perigosa: a tomada do trono do reino que tentou matá-la.

Algum dia, quando eu não for nada além de poeira e vento, que lendas vão contar sobre mim? 

Essa não é uma história com final feliz. Não é um livro sobre esperança, é um livro sobre vingança. Adelina não é uma heroína, ela é quase uma vilã, e por isso uma das melhores personagens que já li. A jornada dela tem tudo de sombrio e de ressentimento, ela é amarga e traiçoeira e verdadeiramente cruel. Ela viveu coisas que marcaram seu coração e sua mente. Seus poderes estão mais fortes, mas usá-los cobra um preço caro: sua sanidade. Adelina cai sob as vozes em sua cabeça, mas precisa delas tanto quanto precisa daquilo que a marca como uma Jovem de Elite. Suas ilusões são sua força e a única maneira de ela conquistar o trono que tanto deseja.

A partir de agora, eu ataco primeiro.

Ao seu lado, sua irmã Violetta é muito da razão que falta à Adelina. Também uma Jovem de Elite, mas sem marca física, Violetta se torna uma fugitiva sem entender bem o que é isso. Ela nunca foi julgada como diferente, nunca enfrentou o preconceito e a dor que os malfettos vivenciavam. A relação entre as duas é de dependência, mas também de ressentimento. Violetta faz tudo para proteger a irmã e é possível ler nisso uma maneira de compensar o abandono ao qual Adelina foi imposta todos aqueles anos. Violetta quer ser a figura que não conseguiu ser, a companheira de luta e o escudo.


Como deve ser se alinhar com a alegria e o amor, em vez de medo e com o ódio? Que tipo de luz isso emana?

Em sua jornada por vingança, Adelina conquista dois aliados poderosos: Magiano e Sergio. O primeiro é um lobo solitário, bastante famoso por seus poderes, e uma lenda onde Adelina se encontra. Uma vez ao lado da Loba Branca, Magiano se torna um pouco de apoio e um pouco de desejo e um amigo inesperado, mas bem-vindo no cenário caótico que é a vida da protagonista. Os dois se conectam através de suas experiências e do abandono, mas Magiano é muito de luz onde Adelina é só escuridão, e por isso o relacionamento entre eles é tão importante. Ela se encontra no ladrão, e a promessa de um pouco de paz que existe nele parece o que Adelina precisa.

- Escondê-la deixa você mais bonita - diz Magiano. Em seguida, afasta a mão, expondo minha cicatriz. - Mas mostrá-la faz você ser você. Então, use-a com orgulho.


Sergio, por outro lado, é um mercenário também traído pelos Punhais. Ele deixa bem claro que seus homens vão seguir Adelina porque ela oferece um pagamento abastado, mas você consegue encontrar uma fidelidade à causa porque Sergio se identifica com ela. Os Punhais o abandonaram como abandonaram Adelina. Vingança é tudo que existe no cenário.

- Nossos poderes são perigosos, assim como o que fazemos.

Do outro lado da moeda, em Kenettra, temos um governo instável graças à queda de Enzo e ao trono assumido pela inescrupulosa Giulietta. Ela mantém uma posição mais leve em relação aos malfettos, enquanto Teren, o Inquisidor Chefe, quer puni-los pela impureza. A relação entre os dois é de domínio e submissão, sendo Teren tão fiel à figura pura e imaculada da rainha humana que está disposto a se submeter a qualquer coisa para ser digno de sua presença. A maneira com que Teren se porta na trama é doentia e obcecada, e o modo como Giulietta o dobra à sua vontade é genial e tão bem trabalhada que dá vontade de gritar com a Marie Lu. Como pode alguém escrever personagens tão sombrios e errados de maneira tão incrível?

O pedido de desculpas de um rapaz para sua amante, não de um Inquisidor para sua rainha.

Os Punhais se aliaram a uma rainha estrangeira, e ela pode ser sua única chance de reconquistar o trono do falecido Jovem de Elite que os guiava. Como figuras principais aqui temos Raffaele, meu doce e quebrado Raffaele, e Maeve, a estrangeira prometida como salvação do trono. A relação entre eles é puramente política, e o desenvolvimento das suas estratégias é absolutamente genial. O modo como a autora intercala os pontos de vista, mostrando a rainha e os rebeldes, cada um com sua causa, cada um com seu plano, isso é digno de aplausos, principalmente pelo desenvolvimento glorioso do final.


A narrativa impecável te prende à história do começo ao fim. Ela fala sobre jovens forçados a crueldades, sobre pessoas julgadas por seus defeitos, condenadas por eles. Fala sobre rainhas justas e rebeliões perigosas e fala sobre um mundo terrível, onde o pouco de luz é sobrecarregado pelo muito de escuridão.

Mas os verdadeiros governantes não nascem. Nós somos feitos.

Reviravoltas chocantes marcam a trama de Sociedade da Rosa. Marie Lu nos entrega, mais uma vez, uma trama política sombria, margeada por nuances de liberdade e um grito de guerra. Esse livro abre espaço para um desfecho drástico, prometendo um fim possivelmente tão sombrio quanto o seu início.

Título Original: The Rose Society
Autora: Marie Lu
Editora: Rocco
Gênero: YA / Dark fantasy
Nota: 5 +

Saiba Mais: Skoob | Saraiva | Submarino

Share this:

, , , , ,

COMENTÁRIOS

8 comentários:

  1. Oi Denise, eu estou ansiosa para ler esses livros. Sem contar que quero muito conhecer o trabalho da Marie Lu. Espero gostar da história.
    Beijos
    [SORTEIO] Aniversário de 1 Ano: Livro - Perdida
    Quanto Mais Livros Melhor

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Priscila!
      Indico fortemente ler essa série e também a trilogia Legend, melhor distopia que já li na vida <3 Vale muuuuito a pena. A escrita da Marie é fantástica.

      Beijos,
      Denise.

      Excluir
  2. Gostei muito do seu blog, ele é bonito, organizado.
    Gostei também da sua resenha e de você ter colocado citações do livro.
    Achei bem diferente a sinopse diferente do que estamos acostumados a ler
    história com tema principal a vingança?! huum bem interessante
    bjo

    http://karinapinheiro.com.br/entre-a-genialidade-e-a-loucura-do-ser-ou-nao-ser/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Karina!
      Que bom que gostou do blog, flor. Fico muito feliz <3
      Esse livro foge de absolutamente tudo do comum em histórias do tipo, por isso ele é tão incrível. A autora não tem medo de escrever personagens sombrios e cruéis <3
      Recomendo muito!

      Beijos,
      Denise.

      Excluir
  3. Quando comecei ler ai pensei 'jogos vorazes ou divergente' mas continuei lendo sua resenha e me chamou atenção...
    nunca escutei falar.
    se a resenha prende atenção imagine o livro como vc disse



    http://bookecoffee.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Ritha!
      Eu já tinha experiência com a Marie em Legend e sabia que ela passaria longe de qualquer clichê possível, mas fiquei abismada com a qualidade dessa série nova. É maravilhosa demaaais!
      Vale muito a pena conhecer.

      Beijos,
      Denise.

      Excluir
  4. Oiii Denise

    Amei os Jovens de Elite, acho Adelina uma protagonista diferente e muito interessante, que tem muito a oferecer à trama. Com certeza Sociedade da Rosa será uma das minhas próximas leituras,

    Beijos

    Resenha Atual

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Alice!
      Siiiim guria, que protagonista mais bem construída e sombria é essa! Amo fortemente e vou protegê-la. Aguardarei seus surtos com esse livro.

      Beijos,
      Denise.

      Excluir

Deixe seu comentário, sua opinião é sempre muito bem-vinda!