Resenha: Sempre Vivemos no Castelo

Resenha: Sempre Vivemos no Castelo

Sempre Vivemos no Castelo foi o último livro escrito por Shirley Jackson e ganhou uma nova edição, em capa dura, pela editora Suma de Letras que nos cedeu um exemplar para a resenha.
Sinopse: Com um humor macabro, Sempre vivemos no castelo conta a história deliciosamente sombria da família Blackwood. Merricat Blackwood vive com a irmã Constance e o tio Julian. Há algum tempo existiam sete membros na família Blackwood, até que uma dose fatal de arsênico colocada no pote de açúcar matou quase todos. Acusada e posteriormente inocentada pelas mortes, Constance volta para a casa da família, onde Merricat a protege da hostilidade dos habitantes da cidade. Os três vivem isolados e felizes, até que o primo Charles resolve fazer uma visita que quebra o frágil equilíbrio encontrado pelas irmãs Blackwood. Merricat é a única que pressente o iminente perigo desse distúrbio, e fará o que for necessário para proteger Constance. Sempre vivemos no castelo leva o leitor a um labirinto sombrio de medo e suspense, um livro perturbador e perverso, onde o isolamento e a neurose são trabalhados com maestria por Shirley Jackson.
O livro narra a história de Mary Katherine, a Marricat, e sua irmã Constance (Connie), que vivem isoladas no casarão da família Blackwood com seu tio adoentado, Julian. As irmãs vivem longe do vilarejo já tem seis anos, desde que uma tragédia, pelo qual todos culpam Constance, acometeu sua família.

Para Marricat, a narradora da história, tudo anda muito bem, vivendo perto da irmã que tanto ama, tentando todos os dias ser o mais gentil possível com o tio, indo a vila duas vezes por semana -- só o tempo suficiente para fazer as compras no mercadinho e trocar livros na biblioteca. Isso até que um certo primo afastado aparece na porta de casa. Constance não se envergonha dele e não vê problema algum em conversar e até rir com ele. Mas os motivos para o primo estar ali são um pouco mais obscuros do que Constance pode ver. E Marricat precisa proteger a irmã, enquanto ambas protegem seu próprio segredo.

Resenha: Sempre Vivemos no Castelo

A primeira vez que ouvi falar de Sempre Vivemos no Castelo foi através do livro Juntando os Pedaços, pois é o preferido da protagonista, Libby. E como eu sempre fico curiosa quando mencionam os livros preferidos dos personagens, não tive dúvidas de que gostaria de lê-lo -- por isso, quando surgiu a oportunidade de solicitar através da parceria, não perdi tempo.

Resenha: Sempre Vivemos no Castelo
Eu não sabia ao certo o que esperar do livro e tudo que sabia de Shirley Jackson, a autora, é que ela tinha influenciado grandes autores, como Neil Gaiman e Stephen King. Fui surpreendida pela narrativa que flui  de forma fácil, sendo simples entender e enxergar o que a autora descreve. Apesar de nunca ter terminado um livro do King (sim, gente, eu tentei, não gostei) já vi muitos filmes das adaptações, e o sentimento que eu tinha com Sempre Vivemos no Castelo era muito parecido.  Aquele terror que é mais sobre o desenvolvimento dos personagens do que os sustos.
Marricat, disse Connie, você não quer uma xícara de chá? Ah não, disse Marricat, você vai me envenenar. Marricat, disse Connie, você não quer dormir? Lá no cemitério, com a terra a te engolir?
Os medos da Constance são completamente compreensíveis, especialmente depois que conhecemos mais a maldade da cidade em relação a elas, uma comunidade pequena e de certas formas cruel com as irmãs. Mas a Marricat é um caso a parte, não consegui decifrar ela completamente. Seus comportamentos bizarros, suas crenças infantis demais para uma garota de dezoito anos que deveria entender mais o mundo (mesmo se tratando de uma garota que viveu isolada desde os 12 anos, nos anos 60) e seus estranhos sentimentos pela irmã -- nunca consegui decifrar se era amor, psicopatia ou alguma doença mental.

Marricat, pra mim, é o grande destaque do livro. As ações dela, as formas como ela busca resolver seus problemas e suas superstições são curiosas e instigantes, é uma personagem que possibilita diversas interpretações, e que muito provavelmente cada leitor enxerga de uma forma. Gostei bastante como a Shirley Jackson desenvolveu as personagens e lidou com a história. Em menos de 200 páginas ela nos dá uma história completa, cheia de nuances e repleta de personagens distintos e interessantes.

Resenha: Sempre Vivemos no Castelo

Sempre Vivemos no Castelo é um dos meus primeiros livros de terror (teve A Menina Submersa e Minha Doce Audrina antes dele, só) e não foi estranho ler algo de um gênero tão longe da minha zona de conforto.

A diagramação dessa edição está linda e a editora Suma está de parabéns! Em capa dura, com uma ilustração linda e cores que chamam a atenção, a edição ainda tem uma diagramação diferenciada, com a página de abertura de cada capítulo em letras maiores. Eu estou simplesmente apaixonada por ela.
[...] Vai ver que Charles e dinheiro se achavam independentemente da distância que houvesse entre eles.
É um livro que indico para os veteranos no terror, mas também para os iniciantes. É um ponto interessante, especialmente para quem vem dos romances românticos e quer mudar um pouco de ares, especialmente porque foca tanto em personagens. Embora eu não tenha sentido medo durante a leitura, apesar de ser uma história instigante e que faz com que você queira saber o que vem a seguir -- afinal de contas, você só sabe para onde a história estava se encaminhando quando chega lá -- é o tipo de terror que mais chama a minha atenção. Ninguém precisa de um monstro estranho se os seres humanos cumprem esse papel tão bem, né?

Resenha: Sempre Vivemos no Castelo

Além do mais, coloco um grande bônus a grande dúvida que o livro deixa: quem é o verdadeiro vilão da história?

Título original: We Always Lived in the Castle
Autora: Shirley Jackson
Editora: Suma
Gênero: Terror - Suspense
Nota: 5

Saiba Mais: Skoob | Amazon | Submarino

Share this:

, , , ,

COMENTÁRIOS

12 comentários:

  1. Muito legal a premissa Bibs, não conhecia o livro!
    Eu n sou muito de ler terror, apesar de gostar do gênero, vejo mais filmes!
    Mas fiquei curiosa pra conhecer a escrita da autora, inclusive preciso fazer o msm com o Gaiman e o King, rs XD
    Bjs
    http://acolecionadoradehistorias.blogspot.com/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Carol!
      Super indico, é algo bem focado em personagens e desenvolvimento, algo bem psicológico.

      bjs

      Excluir
  2. Olá,

    Não conhecia o livro, e pesar de não ler muito livros nesse gênero a história me chamou atenção.
    Bjs e uma ótima noite!
    Diário dos Livros
    Siga o Instagram

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Jéssica!
      Ele não é aquele terror cheio de sustos, é muito sobre o desenvolvimento dos personagens. Quem não curte muito terror pode gostar.

      bjs

      Excluir
  3. Oiii Bibs

    Toca aqui, mais uma que não curtiu os livros do King. Li Misery e puf, demorei 15 eternos dias pra acabar.
    Sempre vivemos no castelo eu quero ler, e muito. É curtinho e me dá a impressão de ser daqueles que vai direto ao ponto e a intriga ao redor da trama, essa coisa de nos perguntarmos quem é o vilão por exemplo, me parece sempre genial. é um livro antiguinho, que merecidamente foi reeditado e que acho que vai valer a pena conferir. Valeu pela dica.

    Beijos

    aliceandthebooks.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Mds, Alice. Primeira pessoa que conheço que não curtiu King O/
      O livro é bem curtinho mesmo, bem rápido de ler. Não tem enrolação nenhum e eu super indico, viu! Achei a edição um primor e maravilhoso que eles tenham reeditado.

      bjs

      Excluir
  4. Oi Bibs, eu sei como é sair dos romances e ir para o terror é sempre um choque inicial hehehehe mas é bom mudar um pouco o gênero, ao menos estou me arriscando mais esse ano por isso fiquei super interessada na obra! Adorei a resenha!

    Bjs, Mi

    O que tem na nossa estante

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Mi!
      O bom desse é que não foi um choque, trabalhou muito o psicológico dos personagens, né. Vai atrás do livro, menina, é muiiito bom.

      bjs

      Excluir
  5. Oi Bibs,
    Confesso que essa capa me enganaria facilmente, rs.
    Eu aqui achando que era um chick-lit e quando comecei a ler pensei... Vixi, tem algo que não se encaixa ai! HAHAHAHAH
    Eu não sou muito de livros de terror, então acho que vou passar a dica de hoje, rs.
    Beijos
    http://estante-da-ale.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Alessandra!
      A capa é bem fofínea mesmo, reflete um pouco da história, na verdade. Porque ela não é aquela coisa gore, cheia de susto e tals. É bem psicológico, um "terror real". É bem diferente do que a gente tá acostumado a entender por terror.

      bjs

      Excluir
  6. Oi! Eu também conheci o livro ao ler Juntando os Pedaços e fiquei curiosa sobre a obra. Eu gostei, mas esperava algo mais assustador, na verdade não senti medo. A família é bem sinistra, mas em geral tende mais para loucura.
    Bjos!! Cida
    Moonlight Books

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Cida!
      Como a Libby dá uns spoilers no livro, eu tava esperando algo meio Gaiman mesmo (só li Coraline, mas não me deu medo, foi só aquela coisa "sinistra"). Eu esperava um motivo mais elaborado para o crime, na verdade, mas fora isso não tinha expectativa alguma. Também não senti medo, mas é muito difícil para eu sentir medo com livro, então não sou parámetro para medir. asauhsuahsuahsauhsauhs

      bjs

      Excluir

Deixe seu comentário, sua opinião é sempre muito bem-vinda!