Resenha: A Estrela da Meia-Noite - Queria Estar Lendo

Resenha: A Estrela da Meia-Noite

Resenha: A Estrela da Meia-Noite

A Estrela da Meia-Noite é o volume final da trilogia iniciada em Jovens de Elite, da autora Marie Lu - e, conhecendo a autora como conheço, esse fim não poderia ter sido mais épico.
Sinopse: Adelina Amouteru sobreviveu à febre do sangue, fez uso de seus dons, formou seu próprio exército, vingou-se de seus traidores e conquistou a vitória. Mas seu reinado triunfante está ameaçado, e o inimigo não vem de fora; a sede de vingança da jovem levou seu lado cruel e sombrio a sair do controle, e ela terá que curar antigas feridas se quiser manter tudo o que conquistou. No desfecho da eletrizante trilogia Jovens de Elite, Marie Lu coloca sua protagonista diante de uma nova ameaça que a levará a revisitar fatos dolorosos do seu passado e a fazer uma aliança arriscada e difícil. Será que Adelina está preparada para se transformar na estrela da meia-noite e, finalmente, conhecer a paz?
Adelina é rainha de Kennetra e de outros territórios das Terras do Mar; uma rainha cruel, medonha, temida por seus súditos, odiada pela maioria deles. Ela escolheu a violência, o caos e a disciplina rígida para se erguer contra aqueles que um dia a oprimiram - e a qualquer malfetto que já pisou naquelas terras. Com a pretensão de expandir seu reinado além do mar, nas terras onde a rainha Maeve descansa após a derrota na última batalha, Adelina não imaginava por um contratempo perturbador em seu caminho de glória: o mundo mortal está sendo envenenado pelo imortal. E a culpa pode ser dos Jovens de Elite.

Esse livro foi simplesmente uau. É uma daquelas histórias que te prendem da primeira página até o fim, que te impedem de largar o livro para fazer qualquer outra coisa; foi um final digno para uma trilogia tenebrosa e traiçoeira, com personagens vis e muito pouco espaço para esperança no mundo em que viviam - e, ainda assim, uma história sobre fé, sobre amor e sobre união.
Ela era a personificação da frieza. Houve uma época em que a escuridão cobriu o mundo, e a escuridão tinha uma rainha.
Adelina está vivendo o período mais escuro e solitário de sua vida, ainda que ela esteja rodeada por um exército poderoso, por alguns seguidores fieis e por todo o povo das cidades conquistadas. Ela é uma rainha sombria e assustadora que inspira terror em quem ousa desobedecer seus decretos; a maioria deles voltada aos direitos dos malfettos, marginalizados e tratados como monstros desde a Febre de Sangue. Agora, protegidos por uma rainha idêntica a eles. O que significa que os humanos sem poderes, sobreviventes da doença, se tornam submissos - e ao mesmo tempo em que incita medo, Adelina constrói uma reputação de tirania. A mesma que ela havia derrubado.
- O medo funciona melhor com um pouco de amor.
A jornada dessa personagem é uma das mais interessantes que já tive a alegria de ler. Adelina é completa escuridão, mas nem por isso é totalmente má. Dá para entender de onde vem toda a sede de vingança, todo o seu ódio pela normalidade e pela maneira com que os Jovens de Elite foram tratados até então. Em um mundo carregado por preconceito e por punições cruéis, Adelina escolheu responder violência com violência. Ela nunca buscou justiça, ela buscou retaliação. E a coroa lhe garantiu isso. Claro que, com o poder, vêm as consequências - e no caso dela e dos outros Jovens de Elite, é o próprio poder que vai ser sua maior fraqueza.


Resenha: A Estrela da Meia-Noite

Adelina está sendo assombrada pelas ilusões, e os outros jovens detentores de peculiaridades mágicas se veem dobrados à fragilidade oposta ao que lhes dá força. Raffaele sente energias demais, Violetta finalmente experiencia o que os malfettos sofreram com suas marcas, e por aí vai. A construção da tensão em cima desse equilíbrio entre poder e fraqueza e o motivo para isso estar acontecendo vêm sendo construídos desde o primeiro livro, e altamente explorados nesse volume final. Marie Lu é absolutamente um gênio.
Há um desequilíbrio no mundo, o veneno do imortal tocando o mortal.
Os personagens coadjuvantes ganham importantes arcos dentro da narrativa, além do que já tinham. Raffaele está longe de Adelina, mas é o elo com a sobrevivência de todos os Jovens de Elite. Ele também vive alguns dilemas a respeito da guerra e do resultado do exílio do exército de Maeve. Ele é um garoto atencioso que luta pelo bem e pela ordem, quase o completo oposto da Adelina - e por isso as interações entre eles são sempre tão interessantes. É uma amizade confusa, mas uma amizade definitivamente.


Resenha: A Estrela da Meia-Noite

Teren ainda é o alucinado caótico que sempre foi, mas agora ele não tem um propósito. Antes um peão da rainha, agora é um prisioneiro sentenciado aos próprios terrores e medos; à fé que não se quebra, independente das circunstâncias. Ele teve ótimas dinâmicas com a Adelina em toda a série, e uma relação conturbada foi construída entre os dois; aqui, Teren vê a escuridão da garota e ri dela.
- Você não pode endurecer seu coração para o futuro apenas por causa de seu passado. Você não pode usar a crueldade contra si mesma para justificar a crueldade com os outros.
Magiano cresceu em sua participação na trama principal, muito disso graças à sua proximidade com a protagonista. Ele e Adelina têm talvez o relacionamento mais importante para a personagem, uma vez que Magiano age como a razão e a consciência da rainha. Os dois são intensos, mas cada um à sua maneira. Dá pra ler nas entrelinhas a devoção do Magiano à garota que ele conheceu, e como ele acredita que ela ainda está entremeada à nova máscara que Adelina tem usado - ele está ao seu lado em devoção à garota esperançosa, não a governante tirana. E Adelina enxerga em Magiano toda a luz que seus poderes e sua ambição drenaram do que ela é; todo um caminho de redenção existe junto ao rapaz, e mesmo relutante em tomá-lo, ela sabe que ele estará ali quando precisar.
E dizem que ela detestava a todos no mundo inteiro, exceto o menino do campanário.
Maeve e Lucent são coadjuvantes, mas ambas têm espaço para um resolução - principalmente em relação ao seu envolvimento romântico e seus sentimentos. Maeve ainda é uma rainha amargurada por sua derrota, erguendo-se para um provável contra-ataque, mas também é uma Jovem de Elite abalada pela perspectiva de que seus poderes talvez sejam sua ruína. E que ela e Lucent podem não ter tempo suficiente para recuperar o que foi perdido.


Resenha: A Estrela da Meia-Noite

Violetta tem um pouco menos de participação nesse livro, mas todos os seus momentos são cruciais para a história - especialmente seu envolvimento com a irmã. Do meio para o fim, tudo o que Adelina faz se desenvolve a partir do que ela sente pela irmã; o que todos aqueles anos de convivência, de dor e de amor significaram para o seu emocional e psicológico. É uma narrativa brilhante, senhoras e senhores. De tirar o fôlego.

A cena final me deixou arrepiada, preciso dizer.

A Editora Rocco fez uma edição impecável; simples e elegante, como o livro merece. Não passei por nenhum erro de revisão e a diagramação não poderia ser mais bonita.
Há algo no sofrimento compartilhado que simplifica as coisas.
A sensação que A Estrela da Meia-Noite deixou foi de saudade e de "quero mais". É um livro curto, então as coisas se movem com adrenalina e muita ação bem escrita. E, por ser curto, acaba rápido demais. Eu certamente vou sentir saudade da Loba Branca, de Kenettra e da grandiosa história dos Jovens de Elite.


Título original: Midnight Star
Autora: Marie Lu
Editora: Rocco Jovens Leitores
Gênero: Dark Fantasy
Nota: 5 +


GOSTOU DO LIVRO? QUER AJUDAR O BLOG? ENTÃO COMPRE ATRAVÉS DOS NOSSOS LINKS!


Share this:

, , , , , ,

COMENTÁRIOS

7 comentários:

  1. Oiii Denise

    Da Marie Lu ja li completa a trilogia Legend (super genial) e me falta ler essa tericera parte de Jovens de Elite e também Warcross. Essa é uma autora que sempre me surpreende, ela foge da mesmice e não tem dó nem dos personagens e nem dos leitores....haha. Quero muito conferir logo essa terceira parte, sei que será incrível.

    Beijos

    www.derepentenoultimolivro.com

    ResponderExcluir
  2. Olá, Denise.
    Eu amei a trilogia Legend e quando fui ler Jovens de Elite acho que fui com muita sede ao pote e acabei não gostando tanto assim. por isso não me animei em ler o segundo. Mas agora vendo sua empolgação quem sabe eu dou uma segunda chance aos livros.

    Prefácio

    ResponderExcluir
  3. Oi Denise, tudo bem? Eu ainda não comecei a ler essa série, mas tenho uma enorme curiosidade por conta de Adelina, sempre que leio as resenhas que falam dela fico me roendo pra conhecer a trilogia rsrsrs Fico feliz em saber que a autora encerra bem a história

    Bjs, Mi

    O que tem na nossa estante

    ResponderExcluir
  4. Oi Denise,
    Sou doida pra ler algo da autora, sempre recebo recomendações.
    Pela sua resenha a série finaliza de algo eletrizante, mas preciso dizer que esse nome da moça me lembrou a novela A Usurpadora hahaha

    bjs
    Nana - Canto Cultzíneo

    ResponderExcluir
  5. Oi, Denise! Só li Legend, da autora. Depois, nunca mais! Nem terminei a trilogia. Mas sabe que, depois dessa, deu até vontade de dar uma chance de novo?

    Beijão!
    www.controversos.com

    ResponderExcluir
  6. Oi Denise, tudo bom?
    Eu adoro a autora, mas só li a saga Legend dela.
    Preciso me arriscar nessa Jovens de Elite.
    Parece boa... Mas claro que eu prefiro um bom romance, rs.
    Beijos
    http://estante-da-ale.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  7. Oi, Denise!
    Só li o último paragrafo da resenha porque não quero pegar spoiler hahhahaha
    Menina, bom saber que apesar de curto ele não deixa a desejar. Confesso que fiquei com medo do tamanho dele.
    Beijos
    Balaio de Babados

    ResponderExcluir

Deixe seu comentário, sua opinião é sempre muito bem-vinda!