Resenha: Ruína e Ascensão - Queria Estar Lendo

Resenha: Ruína e Ascensão

Publicado em 3 de jan. de 2021

Resenha: Ruína e Ascensão

Ruína e Ascensão é o volume final da história escrita por Leigh Bardugo. A Trilogia Grisha ganhou o mundo e roubou corações (e chega na Netflix com o título Shadow and Bone), e esse livro é o impacto necessário para dizer adeus - temporariamente - a esses personagens.

Esta resenha pode conter alguns spoilers dos títulos anteriores.

Este terceiro livro foi o ápice da trilogia, na minha humilde opinião. Sombrae Ossos teve aquele crescimento ótimo, Sol e Tormenta foi um segundo livro maravilhoso (porque segundos livros tendem a ser mais paradões e decepcionantes e graças aos céus esse não foi o caso) e ai veio Ruína (acertaram no nome) e Ascensão pra derrubar todo o meu emocional.
 
O livro começa um pouco depois do fim chocante do segundo - Alina fraca e debilitada, sem os poderes por causa do confronto contra o Darkling. Os sobreviventes escondidos debaixo da terra sob o comando do esquisito e sinistro Apparat, e Ravka dominada pela figura sombria do Darkling.
 
Mas tem uma luz no fim desse túnel de escuridão - o terceiro ampliador, o pássaro de fogo, que pode conceder a Alina todo o poder necessário para derrotar o terrível Darkling. Entre algumas traições e acordos, eles deixam o esconderijo e voltam para a superfície com a única e perigosa missão de encontrar o pássaro de fogo antes que seja tarde demais para Ravka.

Resenha: Ruína e Ascensão

A Trilogia Grisha é toda sobre os personagens, mas, principalmente, sobre a Alina e o envolvimento dela com aquele mundo. Ela é uma guerreira, sim, mas ela é muito mais uma diplomata do que a pessoa que lidera um exército na batalha. Os três livros nunca foram sobre ação e batalhas épicas, mas sobre as consequências dessas lutas - e é isso que eu adoro na maneira com que a Leigh narra a história.
 
Por ser em primeira pessoa, ela poderia ficar limitada ao ponto de vista da Alina é sim um pouco falho. Dá pouca liberdade pra narrativa, mas é tudo tão bem detalhado e as cenas são tão emocionantes que você só quer rolar no chão e morrer afogada em lágrimas. Dá pra ignorar a limitação do POV, mas relendo você percebe como faltou coisa.
 
O fato de eu ter favoritado tanto Ruína e Ascensão foi como ela conduziu a história para o seu fim.

Eu me torno uma espada. Era isso que ele era? Esse garoto que os Grishas haviam seguido sem contestar, cuja voz permaneceu firme quando a terra caiu ao nosso redor, que me disse que eu seria uma rainha?

Os personagens, ah, esses personagens! Vou começar falando sobre o meu favorito que foi o Nikolai. 

Resenha: Ruína e Ascensão
 
AQUELE PRÍNCIPE/REI PIRATA CHEIO DE SARCASMO E COMENTÁRIOS ENGRAÇADINHOS, QUEM ELE PENSA QUE É PRA CHEGAR ASSIM E CONQUISTAR O MEU CORAÇÃO TÃO FORTEMENTE DEPOIS DE EU JÁ TÊ-LO AMADO NO SEGUNDO LIVRO?

Nikolai é honrado, tem um coração de ouro e merece todo o amor do mundo. Eu sofri com ele, passei mal por ele, chorei por ele.
 
"Eu não sei dizer quem é quem!" 
"Nós somos o lado em desvantagem desesperadora."

Os secundários tiveram um ótimo andamento em relação a convivência com a Alina e eu adorei as nuances de cada amizade cultivada entre eles. A Nadia e a Tamar, que formaram um ship amável, o Tolya todo brutamontes cheio de fé e muito querido, a Zoya, toda trabalhada no sarcasmo ácido, o David, aquele nerd que me lembra muito o Henry de TID e por isso eu amo ele apaixonadamente. E o Maly, que ganhou seus momentos e cresceu bastante do garoto que era, se mostrando mais maduro.
 
A GENYA, AQUELA QUERIDA! Genya que sofreu pacas no primeiro e no segundo livro e agora encontrou sua força e foi responsável por alguns dos melhores diálogos do livro. O David e a Genya, aliás! Eu queria colocar os dois num potinho e proteger para sempre porque eles me deram tantos feels que fica até difícil de respirar.

O Darkling... Que baita vilão. Que baita arco de caos total que a Bardugo deu pra ele, e como combinou! Eu queria uma batalha mais épica ali no desfecho, mas combinou com o tom do livro. Poderia ter sido MAIS, mas valeu a pena como aconteceu.

"Você poderia me tornar um homem melhor." 
"E você poderia me tornar um monstro."

A parte fantasiosa foi lindamente explorada nesse volume final também. Tudo que levou o poder da Alina a se expandir e se tornar algo tão complicado e mortífero, as explicações sobre os amplificadores, a sina da Conjuradora do Sol e do Darkling serem únicos naquele mundo, cada mínimo detalhe ganha importância e devido encaixe na trama geral. E um desses detalhes vai quebrar seu queixo no meio quando fizer ele cair no chão, já aviso!

Eu esperava um final mais trágico, mas é um fechamento interessante e condizente com tudo que a Bardugo propôs. É melancólico, mas esperançoso.

No mais, uma leitura prazerosa, causadora de muitos ataques e surtos, que vai me deixar com absurda saudade de Ravka, da Alina e do Maly, do Nikolai e da Genya e do David; de todos.

Agradeço a Santka Alina e a todos os santos de Grisha pela Leigh ter criado esse universo fantástico.

Sinopse: A capital caiu. O Darkling comanda Ravka em seu trono das sombras. Agora o destino da nação depende de uma Conjuradora do Sol arruinada, de um rastreador desonrado e dos cacos do que antes fora um grande exército mágico.No fundo de uma antiga rede de túneis e cavernas, uma fraca Alina deve se submeter à duvidosa proteção do Apparat e daqueles que a veneram como uma Santa. Porém, sua mente está na busca pelo misterioso pássaro de fogo e na esperança de que um príncipe foragido ainda esteja vivo.Alina deverá formar novas alianças e deixar de lado velhas rivalidades, enquanto ela e Maly buscam pelo último dos amplificadores de Morozova. Mas assim que começa a elucidar os segredos do Darkling, ela descobre um passado que mudará para sempre seu entendimento sobre a ligação que os une e o poder que ela carrega. O pássaro de fogo é a única coisa que está entre Ravka e a destruição — e reivindicá-lo pode custar a Alina o futuro pelo qual ela tem lutado.
 
Título original: Ruin and Rising
Autora: Leigh Bardugo
Editora: Gutenberg
Tradução: Eric Novello
Gênero: Fantasia | YA
Nota: 5

Se você gostou de se aventurar pela trilogia Grisha, vai gostar de conhecer Um tom mais escuro de magia, da V.E. Schwab.

8 comentários:

  1. Oiee (again)

    Eu não li 100% da sua resenha porque estou no primeiro livro (preciso continuar e ir até o 2 e o 3 em seguida loucamente), mas pelo que li eu amei! Fico muito muito feliz e aliviada em saber que este terceiro livro segue a linha e supera, emociona, empolga e LACRA as inimigas UHAUHSAUHSAUH.
    Estou muito curiosa por estes livros, e suas resenhas me dão uma injeção de animo pra finalmente pegar e ler. Assim que voltar de viagem lerei!!

    Adoro as fotinhas das resenhas viu, acho muito legal.

    Beijo Denise!!
    http://livrosontemhojeesempre.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. ASUHUHASUHASUHASUHASUHASUH tudo bem, eu controlei os spoilers mas se tu tá lendo o primeiro, foi melhor assim e_e sempre escapa uma coisinha ou outra.
      GENTE O TERCEIRO É MUITO AMOR VIDA TUDO! Leigh Bardugo tá na minha trindade de autoras de fantasia que valem a pena pra sempre <3
      LEIA E SURTE COMIGO, POR FAVOR!
      Que bom que gostou, flor *----*

      Beijos,
      Denise Flaibam.
      http://blogsomaisum.blogspot.com.br/

      Excluir
  2. Thalyana10.2.16

    Não esperava que essa trilogia me pegasse da forma como me pegou. Comecei a trilogia ontem a tarde e já estou começando o terceiro livro, to muito ansiosa pra saber o que me espera no terceiro livro e vim aqui ver se pescava alguns spoilers. Vi que meu ship supremo no livro não vai rolar (AlinaXDarkling) esperava que o que aconteceu com eles do primeiro livro tivesse significado algo para Alina já que o personagem do Darkling me cativou bastante, esperava que ela tentasse romper as barreiras entre eles e mostrar como o mundo poderia ser um lugar melhor, ou como era se sentir especial por alguém, mesmo que ele morre-se no final e ela vivesse uma vida longa e tediante ao lado do mais entediante Maly, esperei de mais e em qualquer interação por mais brutal que fosse entre eles no segundo livro eu vasculhava cada frase atrás de algum significado nas entrelinhas de algo minimamente romântico resultando em lágrimas ridículas MAS EU AINDA N CONSIGO ODIAR ELE. Como eu sei que é bastante improvável que o meu shipp supremo no livro der certo, espero pelo meu bem que ela fique com Nicolei já que não suporto o Maly, tudo nele me irrita e confesso que tenho que lutar contra minha vontade de pular as partes do livro que possuem alguma interação romântica entre ele e a Alina. Torço muito por Nicolei e confesso que não tenho nem ideia de como a história se desenrolará nesse terceiro livro, e depois de ler a sua resenha, maravilhosa por sinal, não sei se quero criar expectativas.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Você conseguiu achar o Maly mais interessante em Ruína e Ascensão? Estou ansiosa pra saber.. porque compartilho sua ideia pelo Maly. Sou team Alina x Nikolai.

      Excluir
    2. Penso igual a você kkk

      Excluir
  3. Fui muito tombada nessa trilogia... Pensei que era Darkling do início ao fim... Pois é. O melhor personagem aparece uma vez na vida, outra na morte. Aff. E o Nikolai... Quero um pra ontem!

    ResponderExcluir
  4. Oi Denise! Este ano pretendo reler o livro um por conta da adaptação e desta forma já seguir com a leitura e finalizar a série. Eu gostei muito do que encontrei quando li e espero que o desfecho me surpreenda. Bjos!! Cida
    Moonlight Books

    ResponderExcluir
  5. Oie, tudo bem?
    Acabei de ler as 3 resenhas sobre a trilogia Grisha e já estou apaixonada. A sinopse e as suas resenhas me cativaram muito e já quero comprar logo, mesmo tendo ainda muitos para ler kkkk. Parabéns pela resenha está maravilhosa e muito bem escrita. Bjs.

    ResponderExcluir

Deixe seu comentário, sua opinião é sempre muito bem-vinda!



@QueriaEstarLendo