Resenha: O Instituto

  • 09:00
  • 13 de nov. de 2019
  • Resenha: O Instituto

    O Instituto é um dos mais recentes títulos do autor Stephen King, conhecido por clássicos de terror e suspense. Aqui, ele apresenta uma história tensa, baseada no mistério e no científico, com um desenvolvimento de tirar o fôlego.

    Sinopse: No meio da noite, em uma casa no subúrbio de Minneapolis, um grupo de invasores assassina os pais de Luke e sequestra silenciosamente o menino de doze anos. A operação leva menos de dois minutos. Quando Luke acorda, ele está no Instituto, em um quarto que parece muito o dele, exceto pelo fato de que não tem janela. E do lado de fora tem outras portas, e atrás delas, outras crianças com talentos especiais, que chegaram àquele lugar do mesmo jeito que Luke. O grupo formado por ele, Kalisha, Nick, George, Iris e o caçula, Avery Dixon, de apenas dez anos, está na Parte da Frente. Outros jovens, Luke descobre, foram levados para a Parte de Trás e nunca mais vistos. Nessa instituição sinistra, a equipe se dedica impiedosamente a extrair dessas crianças toda a força de seus poderes paranormais. Não existem escrúpulos. Conforme cada nova vítima vai desaparecendo para a Parte de Trás, Luke fica mais e mais desesperado para escapar e procurar ajuda. Mas até hoje ninguém nunca conseguiu fugir do Instituto. Tão aterrorizante quanto A incendiária e tão espetacular quando It: a Coisa, este novo livro de Stephen King mostra um mundo onde o bem nem sempre vence o mal.

    A trama segue Luke, um garoto de doze anos que é um prodígio na escola e parece ter um futuro brilhante em frente. Até que algo terrível acontece; ele é sequestrado e uma tragédia deixa sua família para trás. Quando desperta, está em um lugar estranho, rodeado por crianças assustadas e adultos bizarros. Ali, ele conhece Kalisha, que apresenta a situação: Luke está no Instituto, uma instituição que faz experimentos em crianças consideradas "paranormais".


    Resenha: O Instituto

    O motivo? Ninguém sabe. Mas você permanece na Parte da Frente durante algumas semanas e então é levado para a Parte de Trás, onde uma coisa ainda mais tenebrosa acontece. Tudo o que Luke entende da sua atual situação é que ele não tem saída, pelo menos por enquanto - para sobreviver ao Instituto, ele precisa de manter são. Mas sanidade é a última coisa que vai encontrar entre as paredes daquele lugar.

    Não era como entrar na metade de um filme: era como entrar no meio da terceira temporada de uma série de televisão. E uma com um enredo complicado.

    O Instituto reúne tudo que o King tem de melhor em suas histórias: tem terror, suspense, mistério e personagens extremamente reais. É uma história tensa do início ao fim, marcada pelo desconhecido e pelo terror que impera sobre ele. O fato de acompanharmos personagens tão indefesos quanto crianças torna tudo ainda mais desesperador, já que eles estão à mercê da crueldade dos adultos responsáveis por aquele lugar horrendo.

    Não estamos mais no Kansas nem na Ilha dos Prazeres, pensou Luke. É o País das Maravilhas. Alguém entrou no meu quarto no meio da noite e me jogou no buraco do coelho.

    Raiva e medo é o que você mais vai sentir com o desenrolar dessa história. Acompanhar o Luke em sua jornada foi uma montanha-russa de momentos aflitos e de arrancar os cabelos, pontuados por capítulos rápidos e cheios de adrenalina, para então ficar num marasmo de tensão e desconhecimento que frustrava ao mesmo tempo em que instigava a seguir em frente na leitura.

    Eu não lia 544 páginas tão rápido há muito tempo, e elas passaram com tanta velocidade que eu nem ao menos reparei no tempo avançando. King oferece essa ambientação macabra que é o Instituto, a falta de informações e as pequenas descobertas que chegam para as crianças, e nos faz parte daquela história. Você quer respostas, mas tem medo delas. Quer a liberdade, mas não sabe como consegui-la. Quer justiça e vingança, mas conhece o preço por elas.


    Resenha: O Instituto

    Luke se mostrou um protagonista enérgico e altamente capaz. Por ser um prodígio, ele se destaca entre as outras crianças com suas falas elaboradas e conhecimento extenso, mas cria essa conexão com cada uma delas de maneira intensa e significativa. Sua amizade com Kalisha, Nicky, Avery, George e tantos outros é importante porque cada criança importa; seus papeis no Instituto e na narrativa são essenciais para que cada mínimo detalhe aconteça como deve acontecer.

    Ocorreu a ele de repente que era preciso ficar preso para entender de fato o que era liberdade.

    Avery, em especial, me surpreendeu. O garotinho que mal chega aos dez anos é de um medo colossal a princípio - afinal de contas, é praticamente um bebê - e se aproxima de Luke em busca de ajuda, encontrando nele um pilar de confiança e de entendimento. Os dois formam uma aliança poderosa que vai além do instinto de sobrevivência ali.

    Afinal de contas, essas crianças são paranormais. Elas carregam poderes que a humanidade desconhece, e que os experimentos querem entender - para quê? O desfecho surge como um tapa na cara, questionador e sádico. Inconsistente com toda a situação do Instituto e do que as crianças são forçadas a viver, mas consistente se você considerar até onde vai a crueldade humana.

    Era tão simples, mas era uma revelação: o que você fazia por si mesmo era o que lhe dava o poder.

    Além das crianças e da ambientação nessa instalação, King também abre espaço para uma cidadezinha distante e uma conexão entre os cidadãos dela e os eventos finais do livro. Tim e a Órfã Annie, principalmente, me ajudaram a manter a sanidade nos momentos mais desesperadores, se mostrando compreensivos e presentes.


    Resenha: O Instituto

    O Instituto é um livro perfeito para quem busca uma leitura intensa, cheia de energia e de adrenalina. Pode parecer um monstro gigante, mas te garanto que você não vai ver as páginas avançando; é o tipo de história em que você se conecta com todos os personagens e não quer mais largar até saber seu destino.

    Título original: The Institute
    Autora: Stephen King
    Editora: Suma
    Tradução: Regiane Winarski
    Gênero: Ficção científica | Suspense
    Nota: 5
    Skoob

    1. Olá..
      Adorei a sua resenha!
      Ainda não conhecia a obra em questão, mas pelos seus comentários pude perceber que com certeza é um livro que me agradaria. A premissa é bem legal e, é claro, já anotei a sua dica!
      Bjo

      http://coisasdediane.blogspot.com/

      ResponderExcluir
    2. Nunca li King mas adorei saber que você gostou da leitura, que achou ela envolvente e intensa.

      www.vivendosentimentos.com.br

      ResponderExcluir
    3. Olá, Denise.
      Eu sempre leio rápido os livros do autor. Mas é porque ele enrola tanto no começo dos livros que leio rápido para chegar logo a algum lugar hehe. Eu fiquei interessada na premissa, mas é o tipo de livro que eu leria só se ganhasse porque comprar não vou.

      Prefácio

      ResponderExcluir
    4. Eu tenho uma amiga que leu e amou. Eu estou enrolando pra ler porque as últimas leituras do King foram bem decepcionantes para mim.
      Beijos
      Balaio de Babados

      ResponderExcluir
    5. Gostei bastante do artigo de hoje, sempre estou aqui acompanhando seu blog. Tenho aprendido muitas coisas legais aqui e te agradeço por compartilhar...

      Beijos 😘.

      Meu Blog: Dicas On-line

      ResponderExcluir
    6. Oi Denise! Minha nossa eu estou super curiosa com esse livro do King, impressionante como esse homem continua surpreendendo! E pela premissa eu acho que dará super certo como série!

      Bjs, Mi

      O que tem na nossa estante

      ResponderExcluir

    Deixe seu comentário, sua opinião é sempre muito bem-vinda!

    Tecnologia do Blogger.